Blog-Jornalismo_Notícias de Hoje

Deixe um comentário
Compartilhar

Serra não vai governar sozinho, afirma Aécio – Senador eleito por Minas e um dos coordenadores da campanha do PSDB, Aécio Neves diz em entrevista a Malu Delgado que José Serra tem possibilidade real de vitória porque incorporou a tese de que representa um projeto político coletivo. Na opinião de Aécio, Serra está mais aberto e demonstrando disposição de compartilhar esforços e ideias, fazer um governo aberto:

Pressão dos verdes faz candidatos assumirem compromisso ambiental – Pressionados pelos 20 milhões de votos de Marina Silva no 1º turno, Dilma e Serra assumem compromissos ambientais para tentar atrair eleitores. A pedido do Estadão, eles responderam a questões sobre a área. Um dos temas críticos é a reforma do Código Florestal – ambos se disseram contrários à anistia a desmatadores.

Irmão de diretor da Eletrobras negocia projetos de energia – O empresário Edgar Cardeal, irmão do diretor da Eletrobras Valter Cardeal, atua como negociador de projetos no setor de energia eólica, área com previsão de investimentos bilionários no PAC 2. Edgar oferece a empresas projetos para erguer torres de energia eólica em fazendas.

Estados do Bolsa Família elegeriam Dilma no 1º turno – Se dependesse apenas dos estados com maior índice de beneficiários do Bolsa Família, Dilma Rousseff teria sido eleita no primeiro turno. Em nove dos dez estados da lista, ela superou a marca de 50% dos votos, revela um cruzamento de dados feito pelo Globo.

Aécio comandará ato na orla do Rio – O senador eleito Aécio Neves assumiu de vez a condição de cabo eleitoral de José Serra. Entre as missões, está a organização de um ato no dia 24, no Rio. O tucano afirma que houve “certa soberba” na campanha de Dilma  e conta que “a ideia é mostrar que Serra somos todos nós”.

Importados já são um quinto de tudo o que é consumido no Brasil – As importações já respondem por um quinto de tudo o que é consumido no País. A participação dos produtos importados saltou de 15,7% no início de 2009 para 17,7% no primeiro trimestre deste ano e chegou ao recorde de 20% no terceiro.

Cem anos de fraude contra a seca – Com a seca no Nordeste, a família de Maria Pereira perdeu a lavoura; o Dnocs chega aos cem anos sem resolver o problema e mergulhado em denúncias, como a do ex-diretor que comprou 27 apartamentos.

Retrato do parlamento – Bancada conservadora cresce no Congresso. A nova composição do Senado e Câmara revela o avanço de grupos como os ruralistas e evangélicos.

Dilma terá de fazer ajuste fiscal se vencer, diz Bernardo – O ministro Paulo Bernardo (Planejamento) diz que Dilma terá de fazer ajuste fiscal se vencer a eleição. Em entrevista a Vera Rosa e Lu Aiko Otta, ele avaliou que a aperto será suave, porque não há risco de descontrole inflacionário. Para Bernardo, a política salarial do funcionalismo terá de ser “compatível com a inflação baixa”.

BRASIL REAL: Só na fé – Com câncer, dona Luísa Santana é uma das 1,2 mil pessoas na fila da rede pública para uma operação de cabeça ou pescoço. “O tempo está passando e minhas chances são menores”, desabafa.

Pesquisas sacodem o segundo turno – Resultados de institutos variados apontando aproximação de Dilma e Serra mudaram o quadro da campanha, que em nada lembra o clima frio do primeiro turno. Militâncias começam a ganhar as ruas em busca do voto dos indecisos.

Cada vez mais religioso – Em Canindé, interior do Ceará, José Serra faz corpo a corpo com o eleitorado, tem reuniões com lideranças do estado e vai a uma missa na Basílica de São Francisco das Chagas. “Eu sou que nem mola. Quanto mais me batem, mais eu avanço e subo”, disse.

Brasil atrai dinheiro de estrangeiros – Crescimento sustentado, inflação controlada, crédito fácil e um mercado consumidor ávido…tudo isso faz multinacionais investirem pesado no país. Só este ano o brasileiro deve gastar R$ 2,2 trilhões.

Cabral dobrou votos em áreas de UPP – Levantamento, feito em seções eleitorais do Rio, revela que nas favelas com UPPs a votação de Sérgio Cabral dobrou em relação ao desempenho dele no primeiro turno das eleições de 2006. No Batam, por exemplo, ele teve 81,67%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *