Arquivo do mês: janeiro 2022

LOMBROSO

MIRANDA SÁ (Email: mirandasa@uol.com.br)

“ …. Os fatos mais grosseiramente óbvios podem ser ignorados quando não são bem-vindos. ”   (Orwell)

Fui atraído na mocidade pelas crônicas do escritor ítalo-argentino Pittigrilli pelo estilo sintético e colorido, muitos com curiosas alusões históricas e proverbiais despertando a atenção e enriquecendo o saber do leitor.

Já citei algumas passagens dele nos meus artigos; e recordei um dos seus interessantes comentários sobre o ritmo do tempo e a implacável mudança de costumes. Pittigrilli registrou que antes era permitido escrever longas cartas; e que na “atualidade” do seu escrito (década de 1940), “a estenografia e o ditafone mudaram o estilo epistolar….

Agora, os jovens nunca ouviram falar em “estenografia” e “ditafone” que viraram peças de museu. O cronista continuou carimbando o passado, lembrando também que “nos desculpávamos de escrever à máquina e que depois as desculpas foram por escrever à mão”.

Estas lembranças de um passado não muito distante chegam-nos com o computador à mão, cujo salto tecnológico deixou igualmente para trás as reflexões filosóficas e as inspirações poéticas.  Graças à internet e ao telefone celular, as transformações sociais adquiriram uma velocidade espantosa!

Assim, as grandes polêmicas no campo do Direito, da Medicina e da História da Civilização restringiram-se às universidades: sumiram das conversas do dia a dia e só aparecem nas redes sociais de vez em quando. Não se pensa nem discute as teses de Lombroso que assustavam os jovens estudantes de Direito na matéria de Direito Penal.

Nascido no século 19, o psiquiatra italiano Cesare Lombroso fundou a Escola Positiva do Direito apoiado por Enrico Ferri e Raffaele Garofalo, expoentes figuras de sua época; e com os três, inaugurou-se a etapa científica da criminologia.

A Antropologia Criminal passou a estudar o crime e o criminoso. Ainda em evolução, o estudo provoca o embate entre duas correntes em torno das teorias lombrosianas; de um lado, alinham-se os que aceitam a tese defendida por Lombroso do “criminoso nato” e do outro lado, brilhantes penalistas do século passado.

Embora em minoria, os defensores do pensamento de Lombroso repetem que o delinquente é um enfermo. Sem uma prova científica, apenas ajudam os advogados mal caracteres que defendem a absolvição por perturbação mental dos clientes ricos, assassinos de luxo, corruptos milionários e criminosos políticos….

Atesta-se, porém, nos meios jurídicos, que a aceitação do argumento de que criminoso é um enfermo vem sendo desprezadas, e mais desprezível a teses de que o criminoso nasce criminoso. Apoiar tais absurdos seria o mesmo que aceitar a tresloucada temática terraplanista, ou crer nas fantásticas profecias de Nostradamus, ou cair na conversa fiada de que os deuses da antiguidade eram astronautas….

Estas ideias estapafúrdias tão divulgadas nas redes sociais por diversionismo da realidade; e obviamente são rejeitadas pela Ciência do Direito, como as hipóteses do criminoso nato e do delinquente enfermo.

Poderiam, entretanto, ser motivo para piadas no cenário político brasileiro, onde dois exemplos de doentia delinquência se expõem na corrida presidencial deste ano: o capitão Bolsonaro e o pelego Lula da Silva.

Os brasileiros bem-informados e conscientes do seu papel na cidadania, sabem que os escorregos criminosos de ambos são frutos do carreirismo e da desvairada ambição pessoal; e por isto Lula foi condenado em três instâncias por corrupção e lavagem de dinheiro; e que Bolsonaro vem driblando a Justiça no caso das “rachadinhas”, dos cheques e do negativismo genocida.

Ainda assim, ambos creem e apostam na idiotia eleitoral, disputando a eleição para Presidência da República. Seus possíveis eleitores serão motivados pela propaganda enganosa e ficarão alienados da realidade. E dessa maneira se enquadrarão como paradigmas de Lombroso….

400.000

MIRANDA SÁ (Email: mirandasa@uol.com.br)

“Há verdadeiramente duas coisas diferentes: saber e crer que se sabe. A ciência consiste em saber; em crer que se sabe reside a ignorância. ” (Hipócrates)

Pesquisas recentes registram a origem, a sobrevivência e a evolução da humanidade em etapas bem definidas. A Idade da Pedra Lascada, conhecida como Paleolítico, é o nome dado a primeira fase, período este que vai de 2 milhões a 10 mil anos a.C até o início da Pedra Polida, o chamado Período Neolítico, a fase da pré-história ocorrido entre 12 mil e 4 mil a/C .

O homem de Neandertal (Homo neandertalenses) é uma espécie extinta com o qual o homem moderno (homo sapiens) conviveu. Segundo estudos, surgiu durante o Pleistoceno Médio na Europa e no Médio Oriente e extinguiram-se há 28 mil anos.

Nos estágios milenares, o salto da Era da Pedra Lascada para a Era da Pedra Polida representou o surgimento do homo sapiens e com ele a descoberta, manutenção e dependência do fogo, que garantiram sua sobrevivência na última Era Glacial e o uso da fala como meio de comunicação social.

O fogo afugentava os predadores noturnos e permitiu uma dormida em segurança no chão, acelerando o processo bipedalista e a expansão territorial na caça e na coleta. A maioria dos cientistas concorda que a adoção da posição bípede foi fundamental para liberar as mãos e a boca dos nossos ancestrais e permitir o aparecimento da fala.

De acordo com esse critério, as formas mais primitivas do Homo não poderiam ter falado, o que coloca o início da fala em torno da grande migração para o Norte, há 400.000 anos atrás.

Para os estudiosos da matéria, foi fundamental para a natureza aditiva do conhecimento humano o desenvolvimento da fala e das tradições orais baseadas no encontro de um osso hioide – situado na base da língua -, numa caverna do Monte Carmelo, em Israel.

Data daí então a sociabilização humana pela comunicação oral, com a transmissão de experiências e assegurando a formação da cultura. Desse modo temos um antigo registro do respeitado filósofo pré-socrático, Anaximandro de Mileto, reconhecendo que “Todos os seres derivam de outros seres mais antigos por transformações sucessivas. ”

Através desta lição, a Arqueologia vem contribuindo para que a humanidade dê atenção ao imenso tempo que atravessamos e evoluímos cultural e cientificamente. Entristece, entretanto, encontrarmos quem combata a cultura e negue o avanço da ciência para a saúde e longevidade do ser humano.

O morfinômano marechal Hermann Göering nos anos em que o nazismo imperou na Alemanha disse: -“quando ouço falar em cultura, pego no cabo do revólver; e o capitão Bolsonaro chama de “tarados pela vacina” os cientistas e pesquisadores que defendem a imunização de crianças contra a covid-19.

Estas posições negativistas dos tesouros do aprendizado humano vêm de pessoas com problemas mentais ou exibicionistas doentios querendo parecer diferente dos que possuem conhecimento científico. E foram reconhecidos por Isaac Newton ao escrever que: “Eu consigo calcular o movimento de corpos celestiais, mas não a loucura das pessoas. ”

A Ciência é conhecimento organizado e a cultura acumulada ao longo dos tempos, permite estabelecer a vida social organizada, e admitir  que podemos derrotar os erros, a ignorância e as superstições.

Entretanto, a regra das exceções nos mostra que a linguagem oral nascida a 400.000 anos não tenha somente edificado a consciência humana e os avanços civilizatórios, põe também na boca de um médico, que presumivelmente estudou Imunologia, que como ministro da Saúde dizer que os pais têm liberdade de recusar a vacina infantil para imunizar seus filhos, levantando dúvidas sobre a eficácia da imunização!

E, muito pior. O constitucionalmente chefe da Nação, capitão Bolsonaro, combate a prevenção vacinal dos brasileiros e declara de público que a variante ômicron “é um vírus bem-vindo”.

Médicos como o doutor Joseph Mengele fazia experiências macabras em Auschwitz, e  psicopatas necrófilos como Hitler e Stálin antecederam Bolsonaro na estupidez negativista da Ciência, porque nenhum vírus  que cause mortes é bem-vindo.

 

 

 

ESPELHO

MIRANDA SÁ (Email: mirandasa@uol.com.br)

“Esse estranho que mora no espelho (e é tão mais velho do que eu) olha-me de um jeito de quem procura adivinhar quem sou.” (Mario Quintana)

O espelho entra na História do Brasil com a árvore que batizou o País…  Foram os indígenas que derrubavam as árvores, cortavam em toras e as transportavam até os navios. Em troca deste trabalho, recebiam espelhos, miçangas e outros objetos.

A magia de refletir a própria imagem era motivo de muita alegria para os nossos ancestrais; e vem de muito longe…. Investigações sobre o espelho registram que o seu uso vem de muitos séculos, trazendo como exemplo as conhecidas Histórias das Mil e Uma Noites.

No texto original de um dos contos, a personagem, Sherazade, é descrita por suas características intelectuais — coragem, memória, astúcia, leitura, dedicação aos estudos de medicina, filosofia e belas artes, poetisa —além das belas características físicas refletidas no espelho.

Casou-se com um potentado que após possuir a virgindade das esposas, as sacrificava, se houvesse oferecido seu lindo corpo teria morrido como as outras; mas ao enfrentar o risco, ela exaltou a dignidade feminina e venceu a morte pela inteligência distraindo o príncipe com histórias fantásticas em série…. Foi a inventora das novelas.

Também nas histórias infantis dos Irmãos Grimm, temos Branca de Neve e sua madrasta, descrita como bonita, mas orgulhosa e dominadora, que não conseguia aceitar o fato de alguém ser mais bela do que ela.

A Rainha possuía um espelho mágico e todos os dias lhe perguntava quem era mais bela, para ter certeza de ser a mulher mais linda do reino. O espelho não mentia, e quando Branca de Neve desabrochou como uma linda adolescente tornando-se mais bonita que ela, o espelho disse que a Princesinha era “mil vezes mais bela” do que a madrasta. A moça foi condenada â morte, mas escapou com a ajuda de anõezinhos.

Temos também o interessante e proverbial conto de Hans Christian Andersen, “A Roupa Nova do Imperador” em que o monarca gostava de ser admirado pelas roupas que usava sem se olhar no espelho. Certa vez um mágico que passava no reino costurou para ele que, aos seus olhos, era um encantador uniforme; o traje, na verdade, era transparente mostrando-o inteiramente nu.

Vestido orgulhosamente com a nova vestimenta, percorreu desnudo nas ruas em procissão sem que nenhum cortesão lhe alertasse para isto. Assim, escandalizou aos seus súditos, até que o silencio dos bajuladores fosse interrompido pelo grito de uma criança, entre os assistentes, dizendo que o Imperador estava nu.

A verdadeira situação despertou o monarca vaidoso que então resolveu tomou consciência para mostrar-se diante do povo. Desta maneira se vê que a construção da identidade dos chefes de Estado deve ser autêntica sem se refletir nos espelhos dos fanáticos que o seguem, sendo elogiado mesmo sendo agressor dos costumes e da ética.

Refletindo, vemos que política é um espelho, em que os seus agentes refletem o que realmente são, com real semblante de egoístas e mentirosos; vestem-se com odiosas ideologias, transparentes da Nação. Na sua soberba não creem que um dia responderão ao eleitorado para julgamento

No caso brasileiro, é interessante vermos no espelho da realidade nossas crianças ficarem expostas à contaminação pelo vírus, gritando que que vestido de negacionismo, o Presidente estás nu.

Nas clínicas infantis públicas e privadas meninas e meninos doentes denunciam a estupidez que serve de farda transparente ao Capitão necrófilo sob o silencio cúmplice dos seus fanáticos seguidores.

Felizmente esta face horrenda da maldade não se reflete sozinha no espelho. A imagem refletida do amor nos encanta com o canto dos poetas, como Pablo Neruda: “Se sou amado, quanto mais amado mais correspondo ao amor. Se sou esquecido, devo esquecer também, pois o amor é feito espelho: – tem que ter reflexo. ”

 

 

TAGARELICE

MIRANDA SÁ (Emil: mirandasa@uol.com.br)

“Há um mundo de fatos além do mundo das palavras” (Thomas Huxley)

No seu livro de memórias “A verdade de um revolucionário” o general Olímpio Mourão Filho discorreu sobre um fato rotineiro, constatando que: -“Ponha-se na presidência qualquer medíocre, louco ou semianalfabeto, e vinte e quatro horas depois a horda de aduladores estará à sua volta, brandindo o elogio como arma, convencendo-o de que é um gênio político e um grande homem…”.

A nossa observação de mais de 60 anos assistindo a cena política é que se deve acrescentar às saltitantes expressões de bajulação a imitação do Chefe. Quando ele é um boquirroto, como o que temos atualmente na presidência da República, é imitado pelos que o cultuam na sua logorreia – o sinônimo de tagarelice parecido com doença venérea.

É o que tem ocorrido com o ministro Paulo Guedes, que tinha fama de sisudo, mas quando resolveu jogar no lixo qualquer cerimônia, tornando-se um tagarela da pior espécie, com a retórica de um ilusório país das maravilhas.

Silencia ou terceiriza a culpa sobre tudo que é da sua responsabilidade, a Economia. Não fala da inflação chegando aos dois dígitos e a consequente carestia de vida que deixa os brasileiros das classes médias, média e baixa, em situação de penúria e condenando à morte os mais pobres.

Guedes traz para o dia-a-dia a triste realidade econômica que se somam ao desprezo do Capitão Minto pela pandemia com sua política necrófila apresentando a opção de morrer pelo vírus ou pela fome. Inseguro nas próprias ações, o Ministro leva o seu dinheiro para uma off-shore em paraíso fiscal….

É triste – e revoltante – constatar que não é somente Paulo Guedes, mas muitos dos seus colegas de ministério precisam de alguém como o rei Carlos, de Espanha, que cansado da inconveniência de Hugo Chávez, modelo do capitão Bolsonaro, questionou-o duramente: – “Porque não te calas? ”.

Um dos exemplos da imitação subalterna da loquacidade mentirosa é do subministro da Saúde, Marcelo Queiroz, que no mais do que perfeito espírito de imitação do Chefe, foi além do palavrório negativista usando a pornomímica como argumento, como fez em Nova York….

O falatório inconsequente do bolsonarismo nos leva a aplaudir a inquietação de Martin Luther King diante da delinquência política: -“O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons”.

Na verdade, se os políticos seguissem o ensinamento budista dos três macaquinhos amparados nos seis braços da deusa Vajrakilaya encontrados em templos erguidos da Índia e do Japão.

De madeira, metal ou pedra – e até de plástico, como são vendidos nas lojas de R$ 1,99 –, os três macaquinhos ficam juntos; um põe as mãos sobre os olhos, com o mesmo gesto outro fecha a boca e o terceiro tapa os ouvidos.

A mensagem é direta, sem subterfúgios: “Não fales; não vejas, não escutes”, uma regra explícita do conformismo, de não ouvir, não ver e não falar para não colaborar com as forças malignas. A sabedoria de Vajrakilaya reverenciada pelos budistas, traz também a interpretação dialética deste comportamento, ensinando que é preciso escutar muito, ver tudo e condenar o que está errado, para derrotar o mal.

Quando uma desgraça de aproxima, preparemo-nos para vencê-la, como fazemos na guerra contra o novo coronavírus, aliado ao falso religiosismo, à ignorância científica e à tagarelice dos boquirrotos.

Despertando a consciência dos que olham para o ano que vem, com eleições presidenciais decisivas para o futuro da Nação redobremos a nossa capacidade de sobreviver e não esquecer dos boquirrotos que tagarelam verdades e se cobrem com o manto das mentiras.

Não há exemplo maior do que o discurso de Geraldo Alckmin na Convenção do PSDB no dia nove de dezembro de 2017 dizendo: -“Depois de ter quebrado o Brasil, Lula diz que quer voltar ao poder; ou seja, voltar à cena do crime… “