400.000

[ 2 ] Comments
Compartilhar

MIRANDA SÁ (Email: mirandasa@uol.com.br)

“Há verdadeiramente duas coisas diferentes: saber e crer que se sabe. A ciência consiste em saber; em crer que se sabe reside a ignorância. ” (Hipócrates)

Pesquisas recentes registram a origem, a sobrevivência e a evolução da humanidade em etapas bem definidas. A Idade da Pedra Lascada, conhecida como Paleolítico, é o nome dado a primeira fase, período este que vai de 2 milhões a 10 mil anos a.C até o início da Pedra Polida, o chamado Período Neolítico, a fase da pré-história ocorrido entre 12 mil e 4 mil a/C .

O homem de Neandertal (Homo neandertalenses) é uma espécie extinta com o qual o homem moderno (homo sapiens) conviveu. Segundo estudos, surgiu durante o Pleistoceno Médio na Europa e no Médio Oriente e extinguiram-se há 28 mil anos.

Nos estágios milenares, o salto da Era da Pedra Lascada para a Era da Pedra Polida representou o surgimento do homo sapiens e com ele a descoberta, manutenção e dependência do fogo, que garantiram sua sobrevivência na última Era Glacial e o uso da fala como meio de comunicação social.

O fogo afugentava os predadores noturnos e permitiu uma dormida em segurança no chão, acelerando o processo bipedalista e a expansão territorial na caça e na coleta. A maioria dos cientistas concorda que a adoção da posição bípede foi fundamental para liberar as mãos e a boca dos nossos ancestrais e permitir o aparecimento da fala.

De acordo com esse critério, as formas mais primitivas do Homo não poderiam ter falado, o que coloca o início da fala em torno da grande migração para o Norte, há 400.000 anos atrás.

Para os estudiosos da matéria, foi fundamental para a natureza aditiva do conhecimento humano o desenvolvimento da fala e das tradições orais baseadas no encontro de um osso hioide – situado na base da língua -, numa caverna do Monte Carmelo, em Israel.

Data daí então a sociabilização humana pela comunicação oral, com a transmissão de experiências e assegurando a formação da cultura. Desse modo temos um antigo registro do respeitado filósofo pré-socrático, Anaximandro de Mileto, reconhecendo que “Todos os seres derivam de outros seres mais antigos por transformações sucessivas. ”

Através desta lição, a Arqueologia vem contribuindo para que a humanidade dê atenção ao imenso tempo que atravessamos e evoluímos cultural e cientificamente. Entristece, entretanto, encontrarmos quem combata a cultura e negue o avanço da ciência para a saúde e longevidade do ser humano.

O morfinômano marechal Hermann Göering nos anos em que o nazismo imperou na Alemanha disse: -“quando ouço falar em cultura, pego no cabo do revólver; e o capitão Bolsonaro chama de “tarados pela vacina” os cientistas e pesquisadores que defendem a imunização de crianças contra a covid-19.

Estas posições negativistas dos tesouros do aprendizado humano vêm de pessoas com problemas mentais ou exibicionistas doentios querendo parecer diferente dos que possuem conhecimento científico. E foram reconhecidos por Isaac Newton ao escrever que: “Eu consigo calcular o movimento de corpos celestiais, mas não a loucura das pessoas. ”

A Ciência é conhecimento organizado e a cultura acumulada ao longo dos tempos, permite estabelecer a vida social organizada, e admitir  que podemos derrotar os erros, a ignorância e as superstições.

Entretanto, a regra das exceções nos mostra que a linguagem oral nascida a 400.000 anos não tenha somente edificado a consciência humana e os avanços civilizatórios, põe também na boca de um médico, que presumivelmente estudou Imunologia, que como ministro da Saúde dizer que os pais têm liberdade de recusar a vacina infantil para imunizar seus filhos, levantando dúvidas sobre a eficácia da imunização!

E, muito pior. O constitucionalmente chefe da Nação, capitão Bolsonaro, combate a prevenção vacinal dos brasileiros e declara de público que a variante ômicron “é um vírus bem-vindo”.

Médicos como o doutor Joseph Mengele fazia experiências macabras em Auschwitz, e  psicopatas necrófilos como Hitler e Stálin antecederam Bolsonaro na estupidez negativista da Ciência, porque nenhum vírus  que cause mortes é bem-vindo.

 

 

 

2 respostas para 400.000

  1. Pedro Luiz de Assis disse:

    Muito Obrigado Mestre por me conceder o privilégio de vosso conhecimento e sabedoria👋👋👋👋👋👋👋Admiração🙌

  2. Jansenoli disse:

    Estive aqui. Belo artigo..(como ñ seria.?) Monsieur👏👏👏

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *