Últimos Posts

Gabriela Mistral

O Pensador de Rodin

 

Apoiando na mão rugosa o queixo fino,
O Pensador reflete que é carne sem defesa:
Carne da cova, nua em face do destino,
Carne que odeia a morte e tremeu de beleza.

E tremeu de amor; toda a primavera ardente,
E hoje, no outono, afoga-se em verdade e tristeza.
O havemos de morrer passa-lhe pela mente
Quando no bronze cai a noturna escureza.

E na angústia seus músculos se fendem sofredores.
Sua carne sulcada enche-se de terrores,
Fende-se, como a folha de outono, ao Senhor forte

Que o reclama nos bronzes. Não há árvores torcida
Pelo sol na planície, nem leão de anca ferida,
Crispados como este homem que medita na morte.

DISCRIÇÃO

MIRANDA SÁ (Email: mirandasa@uol.com.br)

“Falar é bom, calar é melhor, mas ambos são desagradáveis quando levados ao exagero” (La Fontaine)

Li certa vez, mas olvidei o nome do autor, o pensamento: – “a avareza das palavras não é falta de cultura, mas sinal de inteligência”. Sem dúvida, um bom conselho, porque quem exagera no falar é taxado de boquirroto, falador e tagarela…. Quem muito fala é sempre indiscreto, mente ou revela segredos; e o povo não perdoa.

Algumas pessoas, porém, gostam de falastrões, principalmente dos falastrões políticos que põem nas redomas da adoração pessoal. É conceito geral, entretanto, que levantar ideias com poucas palavras é louvável, mas que se deve evitar o exagero.

A História dos Estados Unidos tem um capítulo dedicado ao presidente republicano Calvin Coolidge, um intelectual do Estado de Vermont. Ali se ressalta o comedimento dele com as palavras; diz que iniciava seus discursos prometendo reduzir o assunto a ser tratado.

E tem uma anedota sobre ele contando que um dia, voltando da Igreja, Coolidge foi perguntado pela esposa: – “Que tal o sermão de hoje? ”; ele respondeu: – “Bom”. Ela continuou: – “Qual foi o tema? ”; e ele: – “Pecado”. A mulher insistiu: – “Que disse o pastor?; ele: – “Contrário”….

Esta sovinice de Coolidge com as palavras chegou ao máximo quando num jantar uma senhora se achegou e disse-lhe: – “Presidente, eu apostei que conseguiria fazê-lo falar cinco palavras…” Ele interrompeu-a: – “Perdeu”.

O exemplo do norte-americano vem de longe. Quando fizemos o ginásio e estudamos a História Romana, encontramos Júlio Cézar, cujo relatório após a conquista da Gália se resumiu ao “Vim, vi e venci” (Veni, vide, vinci). E mais tarde tivemos também o admirável René Descartes, que constituiu um sistema filosófico resumindo a sua tese sobre a Razão com apenas três palavras: – “Penso, logo existo”.

A discrição merece respeito e deveria ser obrigatoriamente usada pelos agentes públicos que exercitam a política. A sabedoria popular usa um ditado que diz “falar é prata, calar é ouro”, e ensina “que palavra fora da boca e pedra fora da mão não voltam atrás…”.

Infelizmente estas lições não mergulham no poço da mediocridade que domina a cena política no Brasil. Fui repórter cobrindo a Câmara Federal e o Senado, e me abate, e me envergonha, que não tenhamos mias congressistas como antigamente; o nível é baixíssimo nas duas casas. Por concessão cautelosa, registro algumas exceções.

Muito mais insignificante é o nível ministerial. Mais baixo do que em qualquer regime, do que em qualquer época, no Império ou na República…. Aí, também por cautela, seria insensato não livrar alguns, poucos, mas existem.

Ocupando pastas, direção de órgãos administrativos superiores ou presidências de empresas estatais, há pessoas que podemos ressalvar sem nos amesquinhar; mas a imensa maioria, entretanto, segue o padrão do presidente Jair Bolsonaro, falando muito para esconder a inação administrativa.

O maior exemplo é do ministro-general Eduardo Pazuello que muitas vezes diz e se desdiz em pronunciamentos importantes para a Nação. Só marcando a data da chegada da vacina e o dia da vacinação, marcou várias horas “Hs” e vários dias “Ds” rodando num carrossel iluminado e colorido de ilusões.

Só não vê quem não quer que o governo federal está baratinado diante da pandemia, sem um comando que imponha respeito, acatando as ordens do ignorantérrimo presidente Bolsonaro, que me traz à lembrança a posição enérgica do rei Juan Carlos dirigindo-se ao boquirroto ditador venezuelano Hugo Chávez, na XVII Conferência Ibero-Americana: – “¿Por qué no te callas? – Uma reprimenda que deveria servir de lição para qualquer político e principalmente para o Presidente.

Serviria como uma luva para o Capitão boca-rota, antigo admirador de Chávez, cujos excessos ilimitados nas declarações e entrevistas, seriam dispensáveis até para ele próprio. O “cala boca” teria o apoio dos eleitores que votaram nele contra a corrupção, e se arrependeram.

Para Bolsonaro, mesmo mouco para qualquer orientação cultural, valeria a lição de Abraham Lincoln: – “É melhor calar e suspeitarem da sua pouca sabedoria, do que falar e eliminar qualquer dúvida…”

 

 

Hilda Hilst

Dez chamamentos ao amigo

Se te pareço noturna e imperfeita
Olha-me de novo. Porque esta noite
Olhei-me a mim, como se tu me olhasses.
E era como se a água
Desejasse

Escapar de sua casa que é o rio
E deslizando apenas, nem tocar a margem.

Te olhei. E há tanto tempo
Entendo que sou terra. Há tanto tempo
Espero
Que o teu corpo de água mais fraterno
Se estenda sobre o meu. Pastor e nauta

Olha-me de novo. Com menos altivez.
E mais atento.

Marcel Proust

Chopin

Chopin, mar de soluços, lágrimas, suspiros,
Que um voo de ágeis borboletas atravessa,
A brincar com a tristeza, a apascentar seus giros.
Seduz, aquieta, sofre, agita, grita, apressa,
Ama ou embala, e faz rolar em meio às dores
O doce olvido do capricho teu, fugaz,
Como as borboletas embriagadas de flores:
Tua alegria é cúmplice da dor tenaz,
O alado torvelinho amaina os dissabores.
Das águas e da lua meigo confidente,
Príncipe da aflição ou grão-senhor traído,
Quanto mais pálido mais belo, entretido
Com o sol a inundar teu quarto de doente,
Tu te exaltas com a luz, a bem-aventurança
Da luz que chora o seu sorriso de Esperança.

VACINA

MIRANDA SÁ (Email: mirandasa@uol.com.br)

“Vale mais prevenir que remediar!” (Galeno – O “Pai da Farmácia”)

A vacina é indispensável para garantir a saúde e a vida dos povos. Foi com muita tristeza que acompanhamos o nosso atraso no enfrentamento da covid-19, quando em todo o planeta os governos, entidades privadas e instituições filantrópicas se mobilizaram e contribuíram para as pesquisas de anticorpos imunizadores contra o vírus.

É um momento de mobilização mundial sem precedentes para enfrentar a covid-19; inúmeros países investiram bilhões de dólares para o desenvolvimento de vacinas e a comunidade científica, por sua vez, faz História ao produzi-la em tempo recorde.

O Brasil também vive hoje um dia histórico, escrito pela Anvisa, seu corpo de médicos e pesquisadores, que acaba de aprovar, por unanimidade, as vacinas desenvolvidas pelo Butantan e a FIOCRUZ, calando o negacionismo caricato e ignorante. Assim, “Habemus Vacinnae! ”.

Nesta nova realidade, é essencial que se faça (como já se fez) campanhas educativas sobre a imunização. A informação é indispensável para alertar e instruir a sociedade sobre o uso dos imunizantes; e o foco da instrução depende das pessoas esclarecidas contra o obscurantismo negacionista.

Tivemos no passado militares estudiosos da geopolítica e de Economia desenvolvimentista, que quando ocuparam o poder (1964-1979), fizeram várias campanhas educativas explicando a necessidade da vacinação. Eram conscientes da importância de vacinar as crianças para protege-las de doenças epidêmicas que grassavam no País.

Uma dessas promoções, em 1972, obteve o maior sucesso, trazendo um curioso personagem de animação, Sujismundo, que se recusava a tomar vacina, justificando: – “eu não tô doente…”, – “prá quê espetadas inúteis? ” – Eram os argumentos negacionistas da época.

Sujismundo se apresentava mal-ajambrado e sujo, provocando rejeição a si; mas em compensação o programa trazia a figura limpa, inteligente e vivaz de Sujismundinho, um garoto filho de Sujismundo, que exigia ser vacinado.

Aqueles filmes publicitários alertavam que a vacinação era obrigatória para crianças, e os pais que se recusassem vacinar seus filhos perderiam direito ao salário-família. Assim, conseguiu-se debelar muitas enfermidades no Brasil.

O êxito da propaganda incentivou mais tarde, na década de 1980, o aparecimento de Zé Gotinha, personagem que foi estudado na brilhante tese de mestrado de Johnny Ribas da Motta, da Faculdade de Informação e Comunicação da Universidade de Goiás.

Esta segunda campanha, igualmente meritória, trouxe um estímulo para a divulgação regional, com verbas para promover atividades artesanais de comunicação, como teatro de bonecos, literatura de cordel e desafios repentistas….

Mas o que passou, passou. Era muito difícil imaginar que viéssemos a ter na presidência da República um indivíduo com a mentalidade de Sujismundo; mas infelizmente é isto que temos; hoje impera nos círculos do poder a demência negacionista, ignorando os avanços científicos da medicina preventiva.

É triste constatar que este fato negativo é um produto mental importado da loucura de Donald Trump, reacionário retrógrado que felizmente foi derrotado na reeleição pelo povo norte-americano, repudiando suas trapaças egocêntricas…. Mas sua herança boçal do negacionismo vigora no Brasil como uma caricatura toscamente desenhada para as mentalidades colonizadas.

Toda Nação, quase à unanimidade – com exceção do bloco dos sujismundos, doentios seguidores de políticos animadores de auditório –, ansiava por um programa de vacinação de massa para enfrentar o novo coronavírus e a letal covid-19.

Com “ansiedade e a angústia” depreciadas pelo ministro-general Pazuello, eu gostaria de ajudar nisto; se tivesse a força de um ”digital influencer”, abriria nas redes sociais um concurso para eleger o Sujismundo da atualidade… O meu voto seria para Bolsonaro…

 

 

 

Arthur Rimbaud

A eternidade

Achada, é verdade?
Quem? A Eternidade.
É o mar que se evade
Com o sol à tarde.

Alma sentinela
Murmura teu rogo
De noite tão nula
E um dia de fogo.

Fernando Pessoa

Tudo que faço ou medito

 

Tudo que faço ou medito
Fica sempre na metade.
Querendo, quero o infinito.
Fazendo, nada é verdade.

Que nojo de mim me fica
Ao olhar para o que faço!
Minha alma é lúcida e rica,
E eu sou um mar de sargaço –

Um mar onde bóiam lentos
Fragmentos de um mar de além…
Vontades ou pensamentos?
Não o sei e sei-o bem.

 

MAQUIAGEM

MIRANDA SÁ (Email: mirandasa@uol.com.br)

“Tem pessoas que deviam comer maquiagem prá ver se ficam mais bonitas por dentro”. (Coringa)

Desde menino sei como as mulheres de todas as classes sociais e de todas as idades usam cosméticos querendo, na opinião delas, melhorar a aparência. Há controvérsias, pelo menos na opinião de Shakespeare, que botou na boca de Hamlet uma reprimenda para Ofélia: – “Ouvi falar da vossa maquiagem. Deus vos deu um rosto e vós fazeis dele outro rosto”.

Will bateu com a brasileiríssima opinião expressada por Dorival Caymmi, que cantou – “Marina, me faça um favor, não pinte este rosto, você é bonita com o que Deus lhe deu”….  Foi no tempo em que não se condenava o machismo romântico pelo “politicamente correto”…

O certo é que o enfeitar-se (e hoje não é só uma preocupação das mulheres, mas dos homens também) exige pomadas e loções para branquear a pele, lápis delineadores para os olhos e sobrancelhas, rímel para as pálpebras e os cílios, ruge para a face, batom para os lábios, hena ou água oxigenada para os cabelos, e esmalte para as unhas…

Se embeleza as pessoas, é uma questão de gosto; mas o certo é que tornou bilionários comerciantes, industriais e inventores de cosméticos. Alguns deles tiveram os seus nomes popularizados como marcas célebres, como Elisabeth Arden, Coco Chanel, Helena Rubinstein e Max Factor, que aliaram seus produtos às embalagens atrativas e uma massiva publicidade.

“Maquiagem” ou “Maquilagem”, indiferentemente, como verbetes dicionarizados são substantivos femininos, significando ação ou efeito de maquilar, isto é, mudar a aparência de pessoas ou coisas. A palavra vem do francês “maquiller”, pintar o rosto para apresentação teatral.

Esta apresentação etimológica formal é capenga e sua definição é restrita; na verdade, o termo vem de um capítulo épico da História Mundial, da resistência francesa contra a ocupação nazista. “La resistence” era conduzida pelos jovens “maquisards” designação que foi simplificada para “maquis” designando os grupos atuantes que se escondiam nas áreas rurais, bosques e montanhas, e pintavam os rostos em ataques noturnos contra os invasores.

Assim, encontramos também a definição figurada da Maquiagem no sentido de “encobrir alguma coisa”. E é nesse sentido que vemos os maus políticos disfarçados de bons moços, maquiados com a “ética”, a “honestidade” e a “religião” para enganar o povo.

Quem tem olhos de ver e ouvidos de ouvir sabe que os picaretas ególatras e corruptos usam a maquiagem enganadora e conseguem por muito tempo iludir as pessoas.

Uma antiga narração tendo como cenário a antiga Grécia, fala de um jogo que andou em moda nas rodas intelectuais, o “Jogo dos Reis” em que uma pessoa era escolhida para ser rei ou rainha e dar ordens indiscutíveis e obrigatórias a cada um dos convivas.

Num desses saraus estava presente a bela cortesã Friné, acatada pela brilhante inteligência e repentismo. Quando foi indicada para ser rainha, ela mandou que os escravos trouxessem bacias com água para as damas presentes; ao receber a sua, lavou o rosto e ordenou que todas a imitassem.

Após a remoção das maquiagens a maioria das caras lavadas eram lastimáveis, enquanto a soberana do jogo manteve o esplendor de sua beleza, elogiada através dos tempos…

Esta anedota histórica foi publicada numa das crônicas do jornalista ítalo-argentino Pittigrilli, exemplificando uma lição que deve ser levada ao eleitorado brasileiro para ser usada, numa exigência aos políticos populistas de direita e de esquerda para que lavem a cara e removam a maquiagem.

No cenário político brasileiro, o exemplo mais-do-que-perfeito é a camuflagem que o presidente Jair Bolsonaro mantém, mesmo depois de trair as suas promessas eleitorais; deveria ser ele o primeiro a usar o sabonete da autenticidade…

 

 

 

Fernando Pessoa


Tenho tanto Sentimento

Temos, todos que vivemos,
Uma vida que é vivida
E outra vida que é pensada,
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada.

 

Bocage

O Leão e o Porco

O rei dos animais, o rugidor leão,
Com o porco engraçou, não sei por que razão.
Quis empregá-lo bem para tirar-lhe a sorna
(A quem torpe nasceu nenhum enfeite adorna):
Deu-lhe alta dignidade, e rendas competentes,
Poder de despachar os brutos pretendentes,
De reprimir os maus, fazer aos bons justiça,
E assim cuidou vencer-lhe a natural preguiça;
Mas em vão, porque o porco é bom só para assar,
E a sua ocupação dormir, comer, fossar.
Notando-lhe a ignorância, o desmazelo, a incúria,
Soltavam contra ele injúria sobre injúria
Os outros animais, dizendo-lhe com ira:

«Ora o que o berço dá, somente a cova o tira!»
E ele, apenas grunhindo a vilipêndios tais,
Ficava muito enxuto. Atenção nisto, ó pais!
Dos filhos para o génio olhai com madureza;
Não há poder algum que mude a natureza:
Um porco há-de ser porco, inda que o rei dos bichos
O faça cortesão pelos seus vãos caprichos.

Bocage, in ‘Fábulas’