Arquivo da tag: Pablo Neruda

Pablo Neruda

De noite



De noite, amada, amarra teu coração ao meu

e que eles no sonho derrotem

as trevas como um duplo tambor

combatendo no bosque

contra o espesso muro das folhas molhadas.

Noturna travessia, brasa negra do sonho.

Interceptando o fio das uvas terrestres

com pontualidade de um trem descabelado

que sombra e pedras frias sem cessar arrastasse.

Por isso, amor, amarra-me ao movimento puro,

à tenacidade que em teu peito bate.

Com as asas de um cisne submergido,

para que as perguntas estreladas do céu

responda nosso sonho com uma só chave,

com uma só porta fechada pela sombra.



Pablo Neruda


Leia aqui a biografia do poeta.

Talvez     Talvez não ser, é ser sem que tu sejas, sem que vás cortando o meio dia com uma flor azul, sem que caminhes mais tarde pela névoa e pelos tijolos, sem essa luz que levas na mão que, talvez, outros não verão dourada, que talvez ninguém soube que crescia como ...

Publicado em por Marjorie Salu | Deixe um comentário

 Poema VI   Te recordo como eras no último outono. Eras a boina cinza e o coração em calma. Em teus olhos pelejavam as chamas do crepúsculo. E as folhas caiam na água de tua alma. Apegada a meus braços como uma trepadeira, as folhas recolhiam ...

Publicado em por Marjorie Salu | Deixe um comentário