ÍMPAR

[ 6 ] Comments
Compartilhar

MIRANDA SÁ (E-mail: [email protected])

                                                      “Ninguém é igual a ninguém. Todo ser humano é um estranho ímpar”   (Carlos Drummond de Andrade)

“Cada um é um número ímpar”, era um trocadilho que minha mãe – de inteligência inigualável – repetia sempre. Referia-se às pessoas que embora semelhantes à vista são distintas entre si, como a crueza das palavras de madre Teresa de Calcutá e as “cartas de amor de uma religiosa portuguesa”…

A palavra Ímpar, vem do latim, ímpar,àris com o significado de desigual, desproporcional, e é dicionarizado em português como 1) único, singular;  2) que não apresenta simetria; 3) número não divisível por dois, que não pode ter duas metades inteiras; 4) raro, incomum.

A personalidade humana, por exemplo, é indivisível; cada indivíduo na multidão é um número ímpar, não tem igual; a Sociologia vê, entretanto, que a “consciência individual”, se modifica no seio de qualquer grupo social inorgânico, transformando-se no que Durkheim chamou de “consciência coletiva. ”

Dialeticamente, o psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, levou ao estudo da psicologia analítica o “inconsciente coletivo”, segundo ele a camada mais profunda da psique, onde aparecem vestígios de heranças ancestrais, comuns a todos os seres humanos.

Entre a Psicologia e a Sociologia vemos claramente como a “consciência individual” é trocada pelo “inconsciente coletivo”, no caso das multidões praticando linchamentos, saques e vandalismo. Embora os indivíduos sejam honestos, não raro a imprensa noticia o tombamento de um caminhão cuja carga é saqueada pela multidão.

É o “efeito manada”, comportamento desusado observado muitas vezes em animais que vivem em grupos. Quando crianças, chamamos a isto “Maria-Vai-Com-As-Outras”, para a participação imitativa de pessoas em determinadas situações.

Temos também o “pensamento de grupo” (groupthink em inglês) inspirado no “duplipensar” do livro 1984 de George Orwell. Aí é o uso político totalitário do “inconsciente coletivo” aproveitado pelo nazismo.

Até hoje se pergunta como os nazistas conseguiram unir e arrastar uma sociedade culta e de certa forma sofisticada como a alemã para aceitar e até aplaudir as barbaridades cometidas pelo regime hitlerista. Que Stálin fizesse isto na Rússia, pela servidão de um povo acostumado com o “knut” dos czares até se entende.

A “comunidade do povo” (Volksgemeinschaft) e a “superioridade biológica da raça ariana” foram impostos por uma maciça propaganda (“Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”) e o indesmentível carisma de Hitler.

Isto, a História registra. E se repete como caricatura no Brasil ao assistirmos a paixão política dos lulopetistas, excedendo a capacidade intelectual de artistas e professores no fanatismo inexplicável por Lula da Silva. Sem dúvida astuto e carismático, embora bandido, ele é cultuado por uma fração social, felizmente minoritária.

Lula é um pelego marginal reconhecido pela Justiça. Foi condenado a 12 anos e alguns meses de prisão por lavagem de dinheiro e corrupção, e ainda tem quem negue a sua culpa por fanatismo “religioso” ou perfídia oportunista.

Por estes traiçoeiros seguidores do ”socialismo bolivariano” – máscara do narcopopulismo –, vamos recuperar na UTI da linguagem a palavra “farândola”, para utiliza-la no lugar de “efeito manada”: Farândola, em português castiço é o coletivo de ladrões, de desordeiros, de assassinos, de maltrapilhos, de vadios.

6 respostas para ÍMPAR

  1. Ajuricaba disse:

    Como é bom vir aqui e aprender….

  2. Irene Mattos Felix disse:

    Confesso que conhecia quadrilha, bando, malta como coletivos para ladrões Farândola será adicionado aos outros
    Mas o nome não importa tanto,.O que acho assustador é um ladrão ter seguidores, fanáticos que vivem para defendê-lo O que me deixa mais tranquila é que Lula é mais um produto do populismo, daquela coisa de operário chegar a ser presidente Fico feliz que não deixa herdeiro político Um Lula já é suficiente para causar danos quase irreversíveis

  3. Margot Cardoso (@Margot_C1956 do Twitter) disse:

    Sempre lições ímpares! Parabéns, Miranda Sá.

  4. Alvaro Santos disse:

    Caríssimo, chego a pensar que esse inconsciente coletivo de forma analítica segundo Carl Jung, não está assim tão enraizado em nossas heranças, uma vez que se olharmos para trás, nossos avós, nossos pais nunca antes haviam se dado a invadir propriedades público ou privadas.

    E, se olharmos o ambiente eleitoral atual, vendo nossos eleitores ainda pensando o voto como manadas, estamos propensos a não enterrar o POPULISMO implantado por esta alma condenada, desde os idos dos anos setenta.

    Todo tirano chega ao poder nos braços do povo, toda tirania tem berço em mentes preguiçosas e morada em cérebros amorfos, ou seja, desconstituídos de caráter. Ninguém é igual a ninguém, mas na política brasileira, um é extensão do DNA do outro, e como os cromossomos, transmitem a seus familiares todo o gene das maracutaias.

    Nós brasileiros nos deixamos enganar por décadas pelos mesmos políticos, iguais nos discursos, nas falácias e nas promessas de salvação. Em campanha conseguem entrar no inconsciente coletivo, agora com a ferramenta da internet e redes, com maior furor dominador, fazendo parecerem mágicos capaz de solucionar nossas mazelas.

  5. INTROVERTIDO: Sente-se mais confortável com seus próprios pensamentos e sentimentos
    EXTROVERTIDO: Sente “em casa” quando lida com outras pessoas e objetos, além de prestar mais atenção sobre seu impacto diante do mundo O Papa Bento XVI sendo introvertidos, costumava observar como o mundo ao seu redor os afeta.
    INCONSCIENTE COLETIVO: Os elementos comuns no inconsciente coletivo são chamados de arquétipos, ideias e imagens herdadas para responder ao mundo de certas maneiras. Jung identificou-os ao notar que vários pacientes descreviam sonhos e fantasias que incluíam referências que não poderiam ser rastreadas em seus passados pessoais. O estudioso também observou que muitos desses elementos envolvem figuras e temas religiosos encontrados em diversas culturas e mitologias.

  6. Brilhante exposição de esclarecimento sobre os seres humanos e suas peculiaridades! Ninguém é idêntico a outem devido às nossas diferenças individuas de nascença e do nosso modo de agir e pensar. Porém ,mitos se deixam influenciar e até mesmo serem dominados mentalmente por aqueles que se acham acima do bem e do mal .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *