ESTATÍSTICA

[ 2 ] Comments
Compartilhar

MIRANDA SÁ (E-mail: [email protected])

“Há três espécies de mentiras: as mentiras, as mentiras sagradas e as estatísticas” (Mark Twain)

Escrevi o artigo “PESQUISA”, comentando o uso do empirismo – pesquisa sujeita a erros estatísticos e realizada em qualquer ambiente -, dizendo que teria sido Satanás quem induziu um vigarista qualquer para aplicá-la como “pesquisa eleitoral”.

Recebi algumas críticas, de pessoas que ainda acreditam na honestidade de quem mexe com política…  Tudo bem, que cada um acate as amostragens dos institutos que exploram esta modalidade como ferramenta; só não aceito é dizer-se que a Estatística é uma ciência…

A Estatística é, na realidade, um conjunto de técnicas e métodos de pesquisa, responsável pela coleta, organização e interpretação de dados e a demonstração dos resultados obtidos, na maioria aleatórios.

Na minha opinião, a estatística não é uma ciência, apenas um método matemático aplicado em estudos observacionais e análise dos resultados, o que é positivo; mas quando usada para fins eleitorais não passa de uma arte de enganar desavisados.

Aproveitam-na, por exemplo, com a capciosa a aplicação de teorias probabilísticas para explicar ocorrências políticas. Lembro uma anedota sobre tal obtenção de dados em situação indefinível ao se concluir que, sentados à mesa, um dos convivas come um galeto e outro não, resulta estatisticamente que cada qual comeu meio galeto…

A respeito dessa possibilidade pouco se pode acrescentar, exceto reconhecer que a estatística é, sem dúvida, um ramo da matemática que, se aplicada com seriedade, auxilia a interpretação de um levantamento de dados.

Os fenômenos naturais, econômicos e sociais exigem sua compreensão principalmente para os governos e também para o mundo empresarial. Este seria o objetivo da Estatística; extrair informações para possibilitar o planejamento administrativo.

Nunca, porém, para acompanhar o aleatório universo da participação individual ou coletiva na política, pela sua volatilidade. Um político mineiro, acho que foi Milton Campos, disse que a política é como uma nuvem que você vê uma vez e se olha de novo foi modificada pelo vento.

Assim, tanto a pesquisa eleitoral como a estatística nela aplicada, são ilusórias. São aproveitáveis somente como propaganda, pela facilidade de convencimento. As previsões – mesmo fraudulentas – persuadem parte do eleitorado.

A pesquisa falsa vem avalizada por números que as ornamentam com as cores da verdade, por que o número afasta a dúvida, afugenta a incerteza.

Shakespeare botou na boca de Hamlet uma célebre indagação: –  “palavras, palavras, e falem nada além disso? ”. O gênio do Teatro respondeu por outro personagem em cena, o Frade: – “Certamente não lhe passou pela cabeça a tirada zombeteira de Mefistófeles sobre como é fácil manejar as palavras…”

Poderíamos parodiar o Mestre, trocando as palavras pelos números, e dizer: – “Números, números, precisa-se acrescentar algo mais nisto? “. Aí alguém acrescentaria que não passa pela cabeça de ninguém descrer ou desconfiar de números, nem por instigação de Satanás…

O presidente Itamar Franco, inesquecível por ter adotado o Plano Real, referindo-se a estatística aplicada a pesquisa eleitoral, disse – “Os números não mentem, mas os mentirosos fabricam números”.

É chato a gente acreditar que existem dois tipos de estatísticas: as que os jornais publicam e os canais de televisão alardeiam, e as que você próprio faz…

 

2 respostas para ESTATÍSTICA

  1. ALEXSANDRO FERNANDES disse:

    Concordo com tudo que foi dito. Acho que a melhor ilustração para essas estatísticas é mesmo a frase do Itamar: ” – Os números não mentem mas, os mentirosos fabricam números.”

  2. O Ser Humano é celeiro de realizações incessantes!!!