SOMBRAS

Deixe um comentário
Compartilhar

MIRANDA SÁ (Email: mirandasa@uol.com.br)

“Onde o amor impera, não há desejo de poder; e onde o poder predomina, há falta de amor. Um é a sombra do outro” (Carl Jung))

Mesmo com a idade avançada, não me sai da memória o tempo em que escutava no rádio a novela do “Sombra” – um personagem de histórias policiais que me encantava.

A trilha sonora, com acordes compassados e segundos em silêncio, imprimia atenção e expectativa para o aparecimento do personagem e a sua voz cavernosa: -“ O Sombra sabe…”, precedida de um riso em crescendo, “ah-ah-ah-ah-ah! ”.

Para um menino, o programa construía a ideia do combate ao crime, que mais tarde veio desenhado em revista de quadrinhos. O benéfico perseguidor mascarado “The Shadow” foi criado pelo escritor norte-americano Walter Brown; era um disfarce do milionário Lamont Cranston, na história que mais tarde inspirou a criação do Batman.

Além do personagem, o verbete Sombra é um substantivo feminino oriundo do latim “sulumbra”, nascida da expressão “sub illa umbra”, a parte escura do céu…. É a penumbra provocada pelo bloqueio da luz; significa também silhueta e até a maquiagem que dá cor às pálpebras.

Ao deixar a infância interessei-me pela Mitologia Grega e Romana, encontrando nos poemas épicos de Homero, Ilíada e Odisseia personagens sedutores, e especialmente encantou-me a Ilíada, a guerra protagonizada por Ulisses, rei de Ítaca, inventor do célebre Cavalo de Tróia. E foi com ele esbarrei em sombras.

Visitando o inferno, Ulisses viu Aquiles, outro grande guerreiro, comandando uma legião de heróis falecidos em combate; felicitou-o pela glória que conquistara entre os vivos e o reconhecimento dos mortos. Aquiles, porém, falou humildemente: – “Não tente me consolar, nobre Ulisses; eu preferiria lavrar o campo como servo, privado de privilégios e bens, do que comandar um Exército de Sombras…

A lendária saga de Aquiles aponta que a sua morte se deveu a uma flecha envenenada que lhe atingiu no calcanhar, a parte do corpo sem proteção da armadura; daí nasceu a expressão “calcanhar de Aquiles”, referindo-se à parte fraca de uma pessoa.

No correr da vida cai no esquecimento as lições que a própria vida recebeu; e comandar um “Exército de Sombras” é motivo de alegria e acrobacias verbais para Bolsonaro, que insiste em referir-se “o ‘MEU’ exército” querendo que acreditem ser ele dono de um “Exército” que pode acompanha-lo numa aventura golpista.

Na verdade, o Capitão Minto comanda um exército de sombras, com oficiais reservistas de farda no armário: uns até bem-intencionados, outros apenas para dobrar os rendimentos, muitos saudosistas do regime militar, em sintonia com conspirações, e mais alguns revanchistas esquizofrênicos contra o Estado de Direito.

De pijama ou de paletó e gravata, este Exército das Sombras nada tem a ver com os militares da ativa, do Exército de Caxias, com desempenho nos quarteis aonde impera a hierarquia a o patriotismo; e são tradicionalmente legalistas.

Há um 2º Exército das Sombras. Formado de mercenários que atuam nas redes sociais em defesa do Governo Bolsonaro, com a ignorância intolerante dos obedientes sabujos atrás da caça; estes, apesar de organizados e ruidosos não são levados a sério on line por disseminar fake news.

Pela religião mal compreendida (como alertou Martin Luther King), formou-se um 3º Exército das Sombras, e já tem um graduado no STF…. São religiosos “ao extremo” misturados com neo-cristãos oportunistas mergulhando nas trevas bolsonaristas como falsos defensores da liberdade religiosa.

Um cristão autêntico, despojado de vaidades e vacinado contra a politicalha, o padre Júlio Lancellotti, diz com sapiência e fé que “a essencialidade da liberdade religiosa é o testemunho de Deus. Não é ir no templo testemunhar o cofre…”.

Nestes tempos estranhos que vivemos, ouvir a voz da razão propõe uma justa repartição de sombras e de luz, pela união de todos contra a pandemia, propomos seguir as palavras do Cristo:  -“Perdoai-os, Pai, pois eles não sabem o que fazem”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *