Propinoduto da Casa Civil

Deixe um comentário
Compartilhar

Filho de Erenice pediu 5% por crédito do BNDES, diz empresa

Empresa de SP acusa Israel, filho da ministra Erenice Guerra, sucessora de Dilma Rousseff (PT), de cobrar pela liberação de empréstimo do BNDES,  A EDRB procurou a Capital, consultoria do filho da ministra, e foi recebida na Casa Civil. Segundo a empresa campineira, para liberar R$ 9 bilhões do BNDES, a Capital quis R$ 240 mil mais 5% sobre o empréstimo.

Em entrevista gravada à Folha, sócio da EDRB diz que não concordou. A empresa afirma que, depois disso, recebeu a proposta de doar R$ 5 milhões para a eleição de Dilma e garantir o crédito, também negada.

A Casa Civil confirmou a reunião com a empresa, mas disse que a ministra não foi. Acusado de pedir os R$ 5 milhões, o ex-diretor dos Correios Marco Antônio Oliveira negou. Israel não ligou de volta. E-mail da Casa Civil confirma audiência com a EDRB

Para Lula, ministra errou em tom de nota

Auxiliares diretos do Planalto definiram como um “total desastre” o tom da nota com timbre da Casa Civil em que Erenice Guerra atacou o candidato tucano José Serra. A ministra perdeu apoio para ficar no cargo. Erenice divulgou o texto sem o conhecimento de Lula. Para ele, a ministra “errou” no conteúdo e ao não consultar colegas. Segundo o governo, a situação dela ficará “insustentável” se houver fatos novos.

Brasília, a casa da turma de Erenice

Os parentes da chefe da Casa Civil da Presidência, Erenice Guerra, têm uma longa história de atuação como servidores comissionados com postos-chave em órgãos do Governo do Distrito Federal e em instituições da União. Após as denúncias de tráfico de influência que provocaram a demissão de um assessor do Palácio do Planalto e envolveram Israel Guerra, filho de Erenice, descobriu-se que desde 1994 a família da ministra ocupa cargos públicos na cidade.

Erenice e o marido, juntos na Eletronorte

José Roberto Campos, marido da ministra Erenice Guerra (Casa Civil), foi contratado para prestar serviços à Eletronorte, em 2003, época em que ela participava do Conselho Administrativo da estatal, e era consultora jurídica do Ministério de Minas e Energia. Campos recebeu R$ 120 mil entre fevereiro de 2003 e junho de 2004. O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse que são graves as suspeitas contra o filho de Erenice, Israel.

Filho de Erenice é fantasma no governo do DF

Pivô de escândalo na Casa Civil, Israel Guerra é lotado em estatal, mas raramente vai trabalhar. Procurador da República vê gravidade em denúncia de que filho da ministra teria intermediado contrato com governo.

Apex, cabide de aloprados do PT

Parentes de Osvaldo Bargas e Jorge Lorenzetti, dois personagens -chave do escândalo dos alopra – dos petistas, estão empregados na Apex, agência de promoção das exportações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *