Eis o preço: quem não tem infância não amadurece

Deixe um comentário
Compartilhar

Uma garota de 11 anos assistia com o pai a uma partida de futebol em que o jovem Neymar atuava.

O pai, que acompanha o meu trabalho, após observar uma atitude do atleta disse à garota: “Acho que só a Rosely Sayão pode dar um jeito nesse menino”.

A filha concordou.

O que foi que pai e filha interpretaram para emitir tal comentário? Arrisco minha hipótese: eles identificaram Neymar como uma criança que precisa ser educada e talvez estejam certos.

Hoje as crianças não vivem como tal.

Desde pequenas assumem o mundo adulto e vivem como se fossem gente grande.

Em tudo: do vestuário às atitudes e preocupações.

Temos roubado a infância de nossas crianças.

Isso tem um preço: quem não tem infância não amadurece e hoje já temos uma geração de jovens adultos imaturos.

O comportamento de Neymar é evidência disso.

Esse jogador tem vida de gente grande: profissão, reconhecimento, salário.

O problema é que enfrenta isso tudo com a insolência e a inconsequência tão próprias do adolescente e da criança.

A questão é que a imaturidade dele não permite que reconheça suas responsabilidades. E elas são tantas, não é verdade?

Responsabilidade, por exemplo, de saber que se tornou uma figura pública maior do que a do jogador que ele é.

Na sociedade do espetáculo em que vivemos, quem oferece padrões de identificação aos mais novos não são mais apenas a família e a escola.

São, principalmente, pessoas famosas que estão na mídia.

Neymar não se dá conta de que é um exemplo para crianças e adolescentes.

Esses, fascinados pelo poder, pela fama e pelo dinheiro, podem acreditar que agir como o jogador age é uma das chaves de seu sucesso.

Culpa do Neymar?

Ah! Como seria bom chegar a essa conclusão.

A responsabilidade é toda nossa, caro leitor, adultos que habitam este mundo e que pactuam com o sequestro da infância, com a cultura da fama, com o valor do consumo acima de quase tudo e com o fato de colocarmos jovens, como o Neymar, no lugar em que colocamos.

Mas desconfio que quem vai pagar essa nossa conta são eles. A começar pelo próprio Neymar, por exemplo.

Em vez de termos compaixão e colaborar com os mais novos em suas trapalhadas, nós os colocamos no tribunal. E que venham as acusações já que é quase só para isso que tem sido usada a autoridade do mundo adulto.

Fonte: Juca Kfouri

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *