DISCURSO DO ÓDIO

[ 5 ] Comments
Compartilhar

MIRANDA SÁ (E-mail: [email protected])

“O ódio é um veneno que bebemos esperando que os outros morram” (Shakespeare)

Na missa-show de aniversário de pessoa já falecida sob as bênçãos de padres narcopopulistas, o corrupto Lula da Silva condenado por corrupção e lavagem de dinheiro, subiu bêbado a um palanque e fez um discurso de ódio.

Lembrou-me um dos clássicos da MPB, “O Bêbado e o Equilibrista” da dupla João Bosco & Aldir Blanc, que vale uma paródia “… E um bêbado trajando luto provocou risadas como uma tragicomédia de Carlitos”. O cheiro de cachaça transcendeu no narizinho da senadora Gleise.

A arenga típica dos pelegos espertos durou 55 minutos em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Paulista, que fugiu da sua função, transformando-se em partido político e seria fechado se a lei fosse respeitada no Brasil.

Lula falou para a plateia amestrada cujo fanatismo primário é pouco exigente quanto à seriedade da sua fala. Debulhando uma espiga de milho que não medrou, os grãos pecos pipocaram com o ruído da montanha que pariu um rato.

Foi um discurso de ódio: Ameaçou estabelecer a censura da imprensa nos moldes da ditadura venezuelana; ordenou atos terroristas com a queima de pneus para impedir o tráfego nas estradas; mandou os arruaceiros do MST E MTST invadirem propriedades no campo e na cidade, enfim, propôs a subversão da ordem pública.

Diante da leniência governamental sem tomar medidas contra isto, leva-nos historicamente à República de Weimar, na Alemanha pós-guerra com um governo fraco, um parlamento corrupto e juízes que fugiam do anseio popular, seguindo o pensamento hitlerista “A voz do povo nunca foi mais do que a expressão daquilo que do alto se lançou sobre a opinião pública” (Mein Kampf).

Constatamos aqui a caricatura daquela situação, assistindo a ousadia fascista de Lula e da hierarquia do PT instigando grupos arruaceiros, tipo “capacetes de aço” e “camisas pardas” para assustar ministros, militares, parlamentares e religiosos.

As pichações nos tribunais federais e no prédio onde a presidente do STF tem seu apartamento, foram feitas por quem obedece ao discurso do ódio. Como foi a agressão homicida do bandido Maninho do PT na porta do Instituto Lula.

Os estudiosos da História atestam que atravessamos o momento em que o fascismo tupiniquim impõe a sua revolução de fancaria que, se não for reprimida, levará a Nação ao suicídio político como ocorreu na Alemanha no século passado. Até agora, felizmente, a minoria ruidosa só tem eco nos meios políticos e no governo frágil de Temer; não assusta mais as classes médias.

Assim, é afortunado vermos que a classe média já não se identifica com os “revolucionários bolivarianos”. Para eles, restaram os dependentes crônicos de ideologias superadas e das ilusórias políticas sociais de bolsas-esmolas criadas pela demagogia politiqueira.

Neste cenário esfumaçado, os pelegos sindicais – assumindo o protagonismo teatral de “aristocracia operária” – sem o mínimo escrúpulo ético, seguem os corruptos do andar de cima, aproveitando-se dos restos do banquete das propinas que enriquecem os dirigentes partidários.

Então prevalece nesse bando organizado o discurso do ódio, temperado com promessas de tudo para toda gente. E cumprem tarefas para amedrontar os fracos de espírito infligindo a luta de classes e a divisão da sociedade pela raça, religião e opção sexual.

Com a Nação dividida e a formação de ideologias adaptadas aos interesses de grupos fáceis de conduzir, o lulopetismo sonhava em implantar a “ditadura nacional socialista” como a de Maduro, na Venezuela.

Tiveram 14 anos para fazer isto, mas fracassaram; enganaram muitos por algum tempo, mas nem todos por muito tempo; dessa maneira caíram em desgraça e o seu chefe foi desmascarado por conspurcar a presidência usufruindo propinas e foi preso.

Esta prisão de Lula da Silva barrou de vez a ameaça fascista ao nosso futuro. Nossos temores, o nervosismo e a irritabilidade, são transferidos para os cultuadores do corrupto. E só lhes resta o discurso do ódio.

 

 

5 respostas para DISCURSO DO ÓDIO

  1. Voz do Povo disse:

    Sabe onde vai terminar tudo isso? Num derramamento de sangue se algo não for feito. É preciso distinguir o que é democracia e anarquia, o que Stedille fez é incitar o ódio, o vandalismo e promover a desordem.

  2. MaRy de Paula disse:

    Mesmo só restando só o discurso de ódio, devemos ficar atentos. Como diz o dito popular “erva ruim geada não mata”. Aguardemos as cenas dos próximos capítulos.

  3. Margot Cardoso (@Margot_C1956 do Twitter) disse:

    A inversão de valores presente no circo lulopetista, onde os bichos amestrados são os militantes que formam a plateia ignara. Brilhante artigo, Miranda Sá!

  4. Irene Mattos Felix disse:

    Bêbado, solitário, sabendo que aqueles que o cercavam eram piores do que ele, assim assisti ao espetáculo
    Não senti pena, mas não quis comemorar nada Cuidei de ver que ele não nomeou nenhum herdeiro, e eles estava ali para isso
    Não acho que temos um país dividido, isto ficou claro nas manifestações do dia três e na que cercava o sindicato dos metalúrgicos Nossas baterias agora devem se concentrar no voto impresso, apenas com ele poderemos fazer as mudanças que desejamos Abraços, my lord !

  5. A vida:mensageira de mudanças. Alguém tem que falar par o Lula para deixar de viver de ” Aparências”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *