BEM vs MAL

[ 7 ] Comments
Compartilhar

MIRANDA SÁ (E-mail: [email protected])

“O mal só triunfará enquanto os do bem nada fizerem” (Edmund Burke)

Falar sobre o Bem e o Mal pode parecer uma explanação religiosa para estimular a consciência das pessoas; considero, entretanto, que é uma ferramenta intelectual para favorecer a emancipação humana das correntes ideológicas que aprisionam a democracia autêntica, a igualdade social e a liberdade individual.

Sem a noção da dicotomia do Bem e do Mal, sacrifica-se a Justiça que a serviço do Mal faz a balança pender em favor daqueles usuários de foro privilegiado, mais iguais do que os outros, como temos assistido na conjuntura nacional.

A defesa do Bem, é a condição fundamental de termos uma Justiça guardiã da igualdade, com a faculdade de estabelecer julgamentos isentos de pressões, sejam do poder ou das minorias ruidosas.

Para evitar que o poder político fique a serviço de uns poucos, é necessário e urgente o despertar dos homens e mulheres, para que a função do Estado não se limite a garantir eleições teoricamente “livres”, mas que afaste o despotismo coronelista, o partidarismo de grupos e a fraude na apuração dos votos.

Não é difícil fazer a distinção do Bem e do Mal. Em religião, ética e filosofia, o bem e o mal referem-se à avaliação de objetos, desejos e comportamentos através de um espectro dualístico. Segundo uma alegoria de Paulo Coelho, “O que vai contra a nossa natureza é o Mal” – respondeu o mestre. – “Todo o resto é o Bem”.

Discutindo esta dicotomia, o filósofo João Antonio Wiegerink escreveu: “o bem e o mal são elementos temporais e espaciais, portanto relativos, pertencentes aos momentos históricos”. No momento histórico que atravessamos, é fácil encontrá-los e distingui-los.

Estes contrários nos fazem ver que, infelizmente, o entendimento das massas pobres, sôfregas em suprir a necessidade primária de alimento, abrigo, preservação da saúde e segurança, cede lugar à independência e a exigência pelos seus direitos políticos e sociais.

Como a miséria é má conselheira, a alienação não distingue o certo ou errado, bom ou mau, moral ou imoral. Disso se aproveitam os agentes do mal prometendo utopias irrealizáveis, impondo a luta de classes e até copos d’água no deserto…

Foi isto o que assistimos na Era Petista, que proveu esmolas em vez de trabalho e ignorância em lugar da informação. Agora, mesmo apeados do poder, os lulopetistas defendem as “políticas sociais” nefastas e repetem mentiras para esconder os crimes praticados por Lula da Silva, seu chefe.

Há outros exemplos notáveis do que é o “mal” em governos totalitários, comunistas ou fascistas, usando o Estado como capataz das relações sociais e econômicas, controlando a Educação e disciplinando os meios de comunicação; e, pior, apagam no Brasil, a nossa História e os verdadeiros heróis do povo, substituindo-os pelos corruptos da tesouraria partidária.

Independente, porém, das cartilhas do partido e das ideologias de experiência negativa que escravizou o povo e infligiu castigos para os discordantes, a realidade não confunde os valores de justiça, a moral e o respeito humano mútuo.

Não dá para esquecer que o “mal” quer submeter os seus opositores e as minorias étnicas, linguísticas, religiosas e políticas aos seus tribunais de exceção, como na Venezuela, onde foram excluídos os magistrados verdadeiramente cumpridores da Justiça.

Cabe, portanto, aos que veem no “bem” a consideração pela vida e o seu progresso, pela justiça, pela liberdade e felicidade, lutar contra o “mal” que divide a sociedade entre “nós e os outros” e planejam a submissão nacional ao partido e ao Estado.

A luta do “bem” contra o “mal” pode, em tese, parecer eterna; mas não é. Se imprimirmos e defendermos a cultura do bem, conseguiremos banir a demagogia, o populismo barato, a ganância dos políticos profissionais e a transformação doa poderes republicanos em mercados varejistas de vantagens e privilégios.

7 respostas para BEM vs MAL

  1. “Não é difícil fazer a distinção do Bem e do Mal. (Quer isso seja feito) em religião, ética e filosofia, o bem e o mal referem-se à avaliação de objetos, desejos e comportamentos através de um espectro dualístico. Segundo uma alegoria de Paulo Coelho, “O que vai contra a nossa natureza é o Mal” – respondeu o mestre. – “Todo o resto é o Bem”.
    Desde a contemplação dos 22 arcanos dos mistérios egípcios entendo ser muito difícil discernir o Bem do Mal:
    1º: No Eclesiastes está registrado que malditos são os que ao Bem chamam Mal e ao Mal chamam bem
    2º: O Cristo em Mateus 07:13 a 16 fala da existência de uma única direção e dois sentidos antagônicos: O subir conduz até Deus e o descer conduz a perdição eterna
    3º: Os corações que se tornaram morada do amor, iluminados por este último conseguem discernir o trigo do joio, enquanto os demais facilmente se deixam desorientar pelos falsos profetas, referidos por Jesus como lobos devoradores vestidos de ovelhas e em Apocalipse 13:11 como uma falso cristianismo quem incita os humanos e buscarem a felicidade na direção de uma vida egoísta e farta;.

  2. Adalberto Day disse:

    Amigo Miranda
    Todos os seus textos publicados são excelentes. Neste em Bem & Mal, nos mostra a real situação que nossa sociedade se encontra no momento mais crucial de nossa história. O mal prevalece sobre o bem, o que está certo passa a ser errado e assim caminhamos “Mau” sim o contrário de bom. Creio que aqui também cabe este adjetivo, uma sociedade de mau (s) exemplos, onde o certo passou a ser visto como errado e o errado o certo … precisamos rever estes conceitos e aplicar na sociedade uma cultura do bem , dos bons exemplos e só assim também podermos mudar nossa realidade e os políticos que são reflexos da maioria que são Mal e Maus!
    Adalberto Day cientista social e pesquisador da história em Blumenau.

  3. Irene Mattos Felix disse:

    My lord, voltei da capital, Porto Alegre, onde fui cuidar da minha filha que fez uma cirurgia Tudo deu certo, à princípio e já retornei à minha cidade
    Uso a minha experiência no hospital para ratificar tuas palavras . Ali não há luta entre o bem e o mal, não há diferenças sociais, políticas ,todos ficam unidos pela mesma dor e a solidariedade se faz presente de uma maneira linda Pessoas que nunca se viram e que talvez nunca mais venham a se encontrar conversam como se fossem velhos conhecidos A corrente do bem é mais forte Fico a pensar em como a dor une mais as pessoas do que qualquer outra coisa .Será ela a fiel da balança ?

  4. Marco Polo disse:

    PaTético. Qualquer pinta de raciocínio sério sobre “o bem e o mal” vai por água abaixo quando nos deparamos com seu delírio recalcado sobre a “Era Petista”. E olha que pelo jeito vc não é nem um menino…aproveita pra ler alguma Hannah Arendt, vovô, pra se esclarecer um pouco a respeito do tópico. nunca é tarde pra aprender!

    • Marco Polo disse:

      …se bem que de quem cita o “filósofo” João Antonio Wiegerink como referência, mero professor de direito formado na FMU (!) paulista e um dos colunistas a soldo no famigerado Inst. Millenium, não dá mesmo pra esperar muita coisa…ahahah

  5. dea C disse:

    Muito bom texto, Miranda. Esse dualismo sempre existirá, fomentado nas lideranças que utilizam o maniqueísmo pra dividir pessoas – nós x eles – usado durante muito tempo pelos petistas, e outros governos totalitários mundo a fora.
    O povo, aquele que se espreme nos ônibus e trens todos os dias, tentando viver suas vidas medíocres, nem conseguem perceber, tentando sobreviver dia a dia, por isso a alienação. E são muitos, viu.

  6. Como sempre seu artigo é e está perfeito e bem oportuno para o atual m0mento em que vivemos . Se nada fizermos em prol do retorno do Bem , estaremos dando chances para que o mal saia vencedor e para que a verdadeira democracia seja sepultada para sempre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *