Moto-contínuo de escândalos

Deixe um comentário
Compartilhar

 

Quebra de sigilo, propinas, nepotismo. Será este o saldo da corrida presidencial de 2010?

O ex-assessor da Casa Civil, o advogado Vinícius de Oliveira Castro, teria recebido em julho de 2009 – quando Dilma Rousseff comandava a pasta – R$ 200 mil como propina no esquema de compra de excedentes do medicamento Tamiflu, revelou a revista Veja desta semana. O Ministério da Saúde contesta a revista, dizendo que negociou diretamente com o laboratório Roche, o único fornecedor.

Diretor dos Correios monta esquema no transporte aéreo

O diretor de Operações dos Correios (ECT), o coronel Eduardo Artur Rodrigues, que assumiu o cargo em agosto numa “reformulação administrativa” comandada pela ex-ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra, é testa de ferro do empresário argentino Alfonso Conrado Rey, o verdadeiro dono da empresa Master Top Linhas Aéreas (MTA). Documentos mostram que Rodrigues integra um grupo que tem empresas de fachada no Uruguai, EUA e Brasil e atua para transformar a MTA na empresa de carga aérea que o governo promete criar após as eleições. A MTA foi pivô da demissão de Erenice: Israel Guerra, filho da ministra, intermediou a devolução da certificação de voo da MTA junto á Anac.

Empresa ligada a marido de Erenice teve aval inédito

A Presidência deu atestado único de capacidade técnica à Unicel do Brasil Telecomunicações, que tem como consultor o marido da ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra. Foi a única vez em que se avalizou um serviço experimental. A Casa Civil negou a participação de Erenice na emissão do atestado.

MP no encalço da empresa envolvida no caso Erenice

A Via Net Express Transportes, citada no escândalo do lobby na Casa Civil, já era investigada pelos procuradores. Era suspeita de fraudes em contratos com os Correios. Quadrilha foi desbaratada pela Polícia Federal em 2007. Para evitar estrago ainda maior na campanha, Dilma Rousseff pediu “apuração rigorosa” sobre o suposto esquema envolvendo parentes de sua sucessora no ministério. Lula preferiu desqualificar as acusações.

Propina teria sido paga na Casa Civil

Afastado do cargo na Casa Civil semana passada, o assessor Vinícius Castro contou a duas pessoas que recebeu propina de R$ 200 mil em sua sala no Planalto, segundo reportagem da “Veja”.

Dilma diz que não sabia de esquema na Casa Civil

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, disse que desconhecia participação do filho da ex-ministra Erenice Guerra, da Casa Civil, em assuntos do governo. “Não tinha nenhum filho da Erenice na Casa Civil. O que tinha lá eram amigos dele [trabalhando no governo]. Se esses amigos cometeram algum delito, lamento a indicação deles”, disse. Israel Guerra, filho da sucessora de Dilma na Casa Civil, é acusado de usar empresa privada para fazer lobby no ministério.

Escândalo atinge ‘núcleo duro’ de Dilma

As denúncias de tráfico de influência derrubaram nome forte de eventual governo Dilma Rousseff – a ex-ministra Erenice Guerra. Aliados dizem que, sem grupo, Dilma poderá ficar refém do PT e do presidente Lula.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *