OFERENDA

Deixe um comentário
Compartilhar

MIRANDA SÁ (Email: mirandasa@uol.com.br)

O valor de uma oferta não está naquilo que se dá ou faz, mas na intenção de quem o deu ou fez” (Sêneca)

Quem acompanha a beleza litúrgica dos rituais religiosos, encontra na primeira parte da missa católica apostólica romana o Ofertório, consagrando a oferta do pão e o vinho a Deus.

A oferenda aos deuses e santos faz parte das cerimônias de todas religiões e seitas do mundo; desde às monoteístas aos cultos mais primitivos. A ação de ofertar é praticada por sacerdotes ou por manifestação individual.  Assim ocorre na liturgia eucarística do catolicismo, no ritual funerário judaico, na hégira do islamismo e na meditação sob os incensos e velas do budismo e do xintoísmo.

Em certas religiões de origem africana no Brasil e no Caribe, a oferenda vai para Iemanjá nas sete ondas do mar, ou colocada numa encruzilhada ou cachoeira para Exu; e também na missa negra do negativismo celebrada por Bolsonaro, oferta-se cadáveres dos mortos pela covid-19 no altar do desdém pela pandemia e da sabotagem contra as vacinas.

Ao contrário das práticas maléficas do celebrante necrófilo, a gente encontra alegria na música, no álbum “Ofertório”, do compositor e cantor Caetano Veloso em conjunto com seus filhos Moreno, Zeca e Tom, com 28 músicas de excelência.

E temos igualmente na música a lindíssima peça melódica e poética executada e cantada na missa, entre o Credo e o Sanctus: – “Venho Senhor, minha vida oferecer, / Como oferta de amor e sacrifício”. O sacrifício do ofertório lembrou-me uma antiquíssima lenda chinesa.

Conta que o inventor da porcelana, cujo nome se perdeu nos tempos, pesquisou durante anos qual a temperatura ideal para coser no forno a argila e conseguir uma delicada e refinada cerâmica.

Após inúmeras tentativas, sem conseguir alcançar a perfeição desejada, desesperou-se e atirou-se às brasas. Era um homem rechonchudo, como Pazuello (o “meu gordinho” de Bolsonaro).

No seu sacrifício, a gordura do corpo adicionou o que faltava para conseguir o esmero perseguido para os seus vasos, que foram encontrados no dia seguinte com a textura perfeita.

Segundo os crentes da religião chinesa “Caminho dos Deuses” de onde derivou o xintoísmo japonês, o sacrifício para a obtenção da porcelana deu ao seu inventor um lugar nos altares, certo de que não havia cosido os vasos com a sua gordura, mas com a sua alma…

Martinho Lutero, ex-monge e teólogo alemão, considerado o pai do movimento da reforma protestante, deixou-nos frases e pensamentos antológicos e ressaltando a ontologia da alma comentou, como fez Tomás de Aquino, “Deve-se doar com a alma livre, simples, apenas por amor, espontaneamente! ”.

Eduardo Pazuello, o “meu gordinho” de Bolsonaro, não tem alma, como mostrou a sua gestão genocida no Ministério da Saúde, e tragicamente na crise do oxigênio que resultou em centenas de mortes.

Como ativista do negacionismo, Pazuello atirou-se à fogueira das vaidades e caminhou nas brasas da inconsequência, invertendo o conceito de oferenda ao transferir para as Forças Armadas o sacrifício ministrado pelo alto comando do Exército absolvendo-o de flagrante indisciplina. Um comportamento intolerável em qualquer força armada do mundo.

A gordura societária do General com o Capitão não produziu nas chamas a delicada porcelana, mas uma rústica panela de barro, que serve para cozinhar no fogão do sigilo a descrença que o povo brasileiro adquiriu pelo capitão Bolsonaro e na vergonha dos militares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *