Arquivos de Tags: Tom Jobim

Tom Jobim – Passarim

Tom Jobim – Insensatez

Tom Jobim começou tocando violão. Aos 14 anos seu padrasto, Celso Frota Pessoa, levou-o a estudar piano com Hans Joachim Koellreutter. Estudou também flauta, harmonia,orquestração e composição, tendo como professores Lúcia Branco, Tomás Teran, Alceu Bochino, Paulo Silva, Chinkievski e Leo Peracchi. O adolescente começava a ser preparado para o longo e criativo caminho de compositor, arranjador, intérprete e produtor. Pretendia estudar arquitetura, mas sua vocação musical era maior e fez com que abandonasse essa carreira. Ao piano ou ao violão Tom bebeu, ao longo de toda a sua vida, na fonte da velha guarda da MPB, inspirando-se em Chiquinha Gonzaga, Ernesto Nazatreth, Sinhô, Ary Barroso, Pixinhinha e Dorival Caymmi.

No início da carreira trabalhou como pianista de bares e boates cariocas, indo depois para a gravadora Continental, onde transcrevia para a pauta as melodias de compositores que não conheciam música e fazia arranjos para as gravações. Em 1953, teve suas primeiras músicas gravadas pela Sinter:

Incerteza, cantada por Mauricy Moura, lançada em abril de 1953, Pensando em Você e Faz uma Semana, na voz de Ermani Filho, lançada em junho do mesmo ano.

Em 1954, obteve seu primeiro sucesso – Tereza da Praia, em parceria com Billy Blanco, interpretado por Dick Farney e Lúcio Alves. Nesse ano, também em parceria com Billy Blanco, compôs a Sinfonia do Rio dejaneiro. Nessa época teve como parceiros: Dolores Duran, Luis Bonfá, Marino Pinto e, mais constantemente, Newton Mendonça, com quem fez Foi a Noite, Meditação, Desafinado, Samba de uma Nota Só e outras.

A partir da gravação de Desafinado, por João Gilberto, em 1958, começou a definir-se o movimento Bossa Nova, que viria a se tornar internacionalmente conhecido. Tom Jobim foi o grande responsável em dar o alcançe internacional à música brasileira.

Em 1956, Tom conheceu Vinicius de Moraes, que o convidou para musicar a peça Orfeu da Conceição, quando então, escreveu para uma orquestra com mais de 80 instru mentos. A peça foi montada com cenários de Niemeyer, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, e a gravação das músicas – entre elas Se todos fossem iguais a você – foi lançada em LP pela Odeon. Este foi o início de uma das mais fecundas parcerias da MPB. A dupla Tom/Vinícius passou a ser conhecida em todo o mundo em virtude do sucesso do filme Orfeu Negro, dirigido pelo francês Marcel Camus e baseado na peça Orfeu da Conceição. O filme recebeu a Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1959 e o Oscar de melhor filme estrangeiro em Hollywood, EUA.

De 1956 a 1958, ocupou o cargo de Diretor Artístico da Gravadora Odeon. Ainda em 1958, Elizete Cardoso, acompanhada por orquestra e o violão de João Gilberto, gravou o LP Canção do Amor Demais, com músicas suas e deVinícius, entre elas Chega de Saudade – Este LP lançado por João Gilberto, em 1959 – é considerado o ponto de partida de Movimento Bossa Nova.

Para ler mais sobre Tom Jobim, clique aqui.

Fonte: Viva Brasil.com.br

Mesmo após 15 anos de sua morte, Tom Jobim continua mais influente do que nunca

Há exatos 15 anos, a música popular brasileira perdia aquele que é tido como o seu principal representante: Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim. O maestro, compositor, e um dos criadores da bossa nova morreu aos 67 anos, durante uma angioplastia, em Nova York, a cidade que segundo Tom, “deveria ser conhecida de maca”, para contemplar seus arranha-céus.

Tom: "Quando uma árvore é cortada ela renasce em outro lugar. Quando eu morrer, quero ir para esse lugar"

O curioso é que o artista carioca, nascido em 25 de janeiro de 1927, no bairro da Tijuca, faleceu no mesmo dia e no mesmo local de outro ícone musical: o ex-líder dos Beatles, John Lennon. “Tom Jobim é desses gênios que o Brasil produz de 100 em 100 anos. O país e a nossa cultura devem muito a ele”, destaca o músico Reco do Bandolim, presidente do Clube do Choro, que no ano passado homenageou durante uma temporada inteira o maestro brasileiro.

Compositor de clássicos como Garota de Ipanema, Wave, Águas de março, Chega de saudade, Corcovado e Samba de uma nota só, Tom é um dos responsáveis pela criação de um dos movimentos e ritmos musicais mais importantes da nossa história: a bossa nova.

“Dois nomes são fundamentais para a bossa nova: Tom Jobim e João Gilberto. Mas, graças ao Tom, ela tem a parte harmônica, melódica, e de arranjos que tem e não alcançaria as proporções que alcançou. Ele é o centro e figura fundamental para a bossa ter se tornado o que é”, opina o fundador e presidente de honra do Clube da Bossa Nova, Dickran Berberian, que também ressalta o reconhecimento internacional do maestro: “Em qualquer lugar do mundo que você vai, as pessoas conhecem Garota de Ipanema.

Tom Jobim é muito mais conhecido do que Villa-Lobos, Carlos Gomes. Ele é, sem dúvida, o nosso artista de maior destaque no exterior. Sempre se ouviu Tom Jobim e sempre se ouvirá”, destaca Dickran.

No próximo sábado, dia 12, o Clube da Bossa Nova vai realizar a sua última apresentação do ano, às 11h, no Sesc Silvio Barbato (Setor Comercial Sul), e apresentará, claro, músicas de Tom Jobim. A entrada é franca.

Revolução

Para Reco do Bandolim, Tom Jobim, com sua genialidade, ajudou a promover uma revolução estética e sonora e conseguiu reunir, ao mesmo tempo, uma força e uma suavidade que transformaram a música brasileira. Reco acrescenta que a música de Tom carrega uma sofisticação delicada e que ele deu uma imensa contribuição para o entendimento do Brasil que desejamos.

“A bossa nova foi a trilha sonora de uma época de otimismo, de esperança, de um Brasil que sonhamos e gostaríamos de ter. Infelizmente, ainda não temos um país à altura da música do Tom. Mas certamente, um dia teremos”, anseia Reco.

Leia aqui a matéria na íntegra

Fonte: Ana Clara Brant/Correio Brasiliense

Chico Buarque e Tom Jobim cantam “Sabiá”

Inicialmente a interpretação de Cynara e Cybele no III Festival Internacional da Canção. Em seguida, Chico e Tom no programa da Rede Globo “Chico & Caetano”.