Arquivos de Tags: Lula

Mensalão: PT e aliados afirmam que explorar mensalão é golpe

Em manifesto, partidos acusam oposição de tentar reverter conquistas de Lula

O PT e os principais partidos aliados divulgaram ontem manifesto em que acusam a oposição de golpismo por utilizar o julgamento do mensalão no STF durante a campanha eleitoral.

O documento, apresentado como defesa da “honra e dignidade” de Lula, compara o atual ambiente político ao que antecedeu o golpe militar (1964) e o suicídio de Getúlio Vargas (1954).

Com o aval de Dilma, o texto acusa PSDB, DEM e PPS de pressionar o STF para transformar o mensalão em um julgamento político e reverter as conquistas que marcaram a gestão Lula.

Entre os que assinam, está Marcos Pereira (PRB), coordenador da campanha de Celso Russomanno em São Paulo. Em nota, a oposição disse que o manifesto é fruto de “desespero”. (Folha de S. Paulo)

Ministro do TSE multa Lula pela quinta vez

O ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Henrique Neves aplicou multa de R$ 7.500 ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva por propaganda eleitoral antecipada. É a quinta multa contra o presidente este ano pelo mesmo motivo.

A representação foi protocolada pelo DEM contra o discurso que Lula fez no dia 1º de Maio em evento organizado pelo CUT (Central Única dos Trabalhadores) em São Paulo. O presidente pode recorrer ao plenário do TSE.

Segundo o partido, Lula promoveu a candidatura da pré-candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff.

No discurso, Lula afirmou que sairia da Presidência em oito meses e que estava com a consciência tranquila do dever cumprido. No entanto, o presidente defendeu o “sequenciamento” do governo.

“Ainda falta muito por fazer neste país porque a gente não consegue consertar os erros de 500 anos apenas em oito anos. É preciso mais tempo, mas é preciso que tenha sequenciamento”, afirmou Lula.

Henrique Neves decidiu multar apenas o presidente por considerar que apenas parte de seu discurso caracterizou a propaganda irregular.

Sobre Dilma, o ministro avaliou que para caracterizar a propaganda seria preciso que o DEM provasse como foi feito o seu discurso. O partido não apresentou o vídeo da fala da pré-candidata, mas apenas notícias que interpretaram suas falas.

Neves também não multou a CUT por entender que uma reunião entre sindicalistas não é propaganda.


Fonte: Folha Online

Uma imagem vale mais que mil palavras!!

O presidente Lula e o ex-governador de Brasília, José Roberto Arruda

Ciro diz que Lula ‘está errado’ e reafirma candidatura

De volta a Brasília, Ciro Gomes (PSB) reafirmou, para desassossego de Lula, o seu projeto presidencial.

 Afastou, em termos peremptórios, a possibilidade de vir a se envolver na refrega eleitoral São Paulo.

Lula está errado ao querer que eu seja candidato a governador de São Paulo”.

Acha que sua exclusão do xadrez presidencial imporia a Dilma o risco de levar um xeque-mate do rival tucano José Serra já no primeiro turno.

Declarou que a retirada de sua candidatura ao Planalto só interessa a Serra. Daí a conclusão de que, nessa matéria, “o santo Lula está errado”.

Inviabilizando-se como presidenciável, Ciro prefere “sair da vida pública” por um tempo: “Para mim, a política não é meio de vida”.

Até quando vai esticar a corda? “Até onde puder, ou seja, outubro”, o mês da eleição. Como que decidido a açoitar as dúvidas, Ciro foi às críticas.

Repetiu que a coligação que se forma ao redor de Dilma, escorada no PT e no PMDB, tem “moral frouxa”.

Como assim? Insinua que a aliança dos dois sócios majoritários da coligação governista traz um rastro de encrencas esperando para acontecer.

Nas palavras de Ciro: “Um roçado de escândalos semeado”. Levou à roda o grão-petista José Dirceu, recém-reconduzido ao diretório nacional do PT.

Chamou de “golpista” a movimentação de Dirceu, espécie de costureiro informal do crochê partidário que o PT tenta tecer nos Estados.

Em São Paulo, Dirceu trabalha para acomodar Ciro nos calcanhares de Geraldo Alckmin, provável candidato do PSDB à sucessão de Serra.

Ciro contou que Dirceu o procurou. Em viagem à Europa, mandou dizer que estava “ocupado”. Com o quê? “Férias”.

De resto, Ciro disse que trabalhará para seduzir partidos que se disponham a formar com o seu PSB uma coligação.

Obsessivo, afirmou que só pensa na candidatura presidencial –“24 horas por dia”, segundo disse.

Em Fortaleza, o governador cearense Cid Gomes (PSB) ecoou Ciro. Disse que seu irmão vai mesmo às urnas como presidenciável.

Deu a entender que, a despeito das pressões, o PSB está fechado com Ciro. Tanto que o levará à vitrine em propaganda partidária prestes a ser exibida na TV.

 “O programa é muito direcionado para fortalecer a sua posição como pré-candidato”, afirmou Cid.

Fonte: Blog do Josias de Souza

‘Lula não deveria se unir a governos criminosos’, diz Nobel da Paz iraniana

Shirin Ebadi tem um recado para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva: “Diga a ele que não deveria fazer amizade com governos criminosos.” O apelo é de uma Nobel da Paz e ela se refere à aproximação do Brasil com o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, selada por sua visita oficial ao País, em novembro, que deve ser reforçada com a ida de Lula ao Irã, agendada para junho.

Desde as eleições presidenciais que levaram Ahmadinejad ao segundo mandato, provocando protestos por possíveis fraudes nas urnas, Shirin está refugiada com a família na Alemanha. Em Teerã, 40 manifestantes foram mortos em confronto com a polícia, segundo números oficiais – organizações civis falam em mais de 80. Cerca de 100 opositores foram julgados desde agosto, 5 deles condenados à morte. Na quarta-feira, o governo iraniano anunciou para o dia 7 o julgamento de sete líderes da fé bahai (leia abaixo).

“Será que ele (presidente Lula) não vê o que está acontecendo nas ruas de Teerã? Como pode fazer amizade com um governo que mata seus jovens e estudantes, sua gente?”, diz. As amizades do presidente Lula preocupam Shirin por ele ocupar uma posição de destaque cada vez maior no cenário internacional. Em fevereiro, o Conselho de Segurança da ONU discutirá novas sanções contra o programa nuclear do Irã, e o Brasil, que desde o dia 1º ocupa vaga não-permanente no órgão, terá de se posicionar. No lugar do embargo econômico, “que só faz prejudicar os iranianos”, Shirin defende o isolamento político do presidente Ahmadinejad.

Fonte: O Estadão/Adriana Carranca

Lula, o filme: ladeira abaixo

 O terceiro fim de semana de Lula, o Filho do Brasil reforçou a trajetória de queda do filme: somente 66 000 pessoas se dispuseram a vê-lo nos cinemas (no primeiro fim de semana, fora 193 000 espectadores e, no segundo, 107 000).

No total, desde que estreou a fita de Fábio Barreto conseguiu levar 642 000 pessoas aos cinemas – Xuxa e o Mistério da Feiurinha, com uma semana a mai e exibição, já tem um público total de 770 000 pagantes.

Lula periga não chegar a 1 milhão de espectadores. Seus produtores imaginavam algo acima 5 milhões de espectadores nas projeções mais pessimistas.

Fonte: Lauro Jardim

Lula diz que quer mais saneamento básico para “tirar povo da merda”

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva usou um palavrão nesta quinta-feira (10) para descrever a situação dos mais pobres do Norte e do Nordeste que não têm acesso a saneamento básico devido a “muito tempo de Brasil mal gerenciado, privilegiando as regiões mais ricas”. Depois, admitiu que seria criticado por isso, mas considerou mais importante fazer a mensagem chegar aos mais necessitados.

“Eu não quero saber se o (prefeito de São Luís) João Castelo é do PSDB, se o outro é do PFL ou se é do PT. Eu quero saber se o povo está na merda e eu quero tirar o povo da merda que ele se encontra”, disse Lula durante discurso em São Luís, no Maranhão, onde assinou contratos do programa habitacional “Minha Casa, Minha Vida”.

Em seguida, o presidente previu que seria criticado e se antecipou: “Amanhã os comentaristas dos grandes jornais vão dizer que o Lula falou um palavrão. Mas eu tenho consciência de que eles falam mais palavrão do que eu todo dia e tenho consciência de como vive o povo pobre deste país”, completou.

Fonte: Folha Online

Lula torcia para que o STF o obrigasse a extraditar o terrorista

O presidente Lula está confuso em relação ao caso Cesare Battisti. Ele contou a um amigo haver recebido a garantia do Supremo Tribunal Federal de que a “bomba” não seria colocada em seu colo. Era o que queria, para dar uma satisfação a radicais ligados ao PT do ministro Tarso Genro (Justiça). Um advogado levou a ele o recado do STF: haveria a “vinculação” da sentença à obrigatoriedade em cumpri-la.

Fonte: Cláudio Humberto

Inimigos Íntimos – O trunfo do caçador de marajás

Na noite de 14 de dezembro de 1989, no segundo dos cinco blocos do derradeiro debate da campanha presidencial, Fernando Collor encaixou, no meio de uma resposta sobre casas populares, a informação de que Lula teria  “aparelhagens ultramodernas e sofisticadas de som” que ele próprio ”ainda não havia tido oportunidade de ter”.

O comentário pareceu tão absurdo quanto a ausência de respostas ou revides: na réplica, um Lula com expressão mais cansada, confuso e embaraçado, esfregando nervosamente as mãos, não tocou no assunto. Soube-se só mais tarde que Collor começou a explorar o tema na  véspera.

Em São Paulo, de volta da visita à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, em Brasília, Lula recebeu dois telefonemas anônimos. O primeiro avisou que Collor revelaria durante o debate que Lula aproveitou a passagem pela capital para presentear uma amiga jornalista com um aparelho de som. O segundo informava que as provas estariam armazenadas numa pasta verde.

Uma pilha de pastas permaneceu todo o tempo diante de Collor. Terminado o segundo bloco, a verde não estava mais lá. O golpe surtiu efeito. Lula terminou o debate dizendo que Collor, embora se proclamasse ”caçador de marajás”, não passava de um caçador de maracujás. Ninguém entendeu.

(A íntegra do debate pode ser conferida no site do YouTube, dividida em 17 partes)

Governo reafirma apoio a Sarney

O ministro de Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, afirmou nesta segunda-feira que o governo mantém o apoio à permanência de José Sarney (PMDB-AP) na presidência do Senado. De acordo com o ministro, o governo acredita que a nota divulgada na sexta-feira pelo líder do PT no Senado, Aluízio Mercadante (SP), não reflete a opinião de toda a bancada petista. Segundo a nota, a bancada defende o afastamento temporário de Sarney.

“Avaliamos que isso não é um movimento do PT”, declarou Múcio, ao sair da reunião de coordenação política entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ministros. “imaginamos que seja um posicionamento de um ou dois senadores. Como o Senado está em recesso, muitos estão fora. Estamos esperando que a poeira baixe para conversar na próxima semana”, disse.

Quando lhe lembraram que a nota partiu do líder do PT no Senado, Múcio insistiu que ela pode não refletir o pensamento de todos. “Precisamos ver se houve um movimento da bancada inteira, visto que o presidente conversou com ela 15 dias antes disso tudo acontecer”, afirmou.

De acordo com o ministro, a situação de Sarney não foi discutida durante a reunião de coordenação política.

Fonte: Veja Online