Arquivos de Tags: John Keats

Poesia

Soneto

 

Quando fico a pensar poder deixar de ser

antes que a minha pena haja tudo traçado,

antes que em algum livro ainda possa colher

dos grãos que semeei o fruto sazonado;

 

quando vejo na noite os astros a brilhar

– vasto e obscuro Universo, impenetrável mundo! –

quando penso que nunca hei de poder traçar

sua imagem com arte e em sentido profundo;

 

quando sinto a fugaz beleza de alguma hora

que não verei jamais – como doce miragem –

turva-se a minha mente, e a alma em silêncio chora

 

um impulsivo amor. E a sós, me sinto à margem

do imenso mundo, e anseio imergir a alma em nada

até que a glória e o amor me dêem a hora sonhada!

 

John Keats

 

Poeta inglês (1795-1821), nascido em Londres. Considerado um dos maiores nomes do romantismo na Inglaterra, sua obra divide-se entre as frequentes referências à morte e um intenso sentimento de prazer com a vida. Influenciado pelos poetas gregos do período helênico, como Homero, bem como pelos poetas elizabetanos e ingleses do século XVI, persegue a perfeição estética. Sua poesia é marcada pelo sentimentalismo romântico, por imagens vibrantes, de grande apelo sensual, e pela expressão de aspectos da Filosofia clássica.

Fica órfão ainda criança e passa a ser criado em Edmonton por um tutor, que o transforma em aprendiz de cirurgião. Volta em 1814 para Londres, onde trabalha como assistente de cirurgia em dois hospitais. A partir de 1817, decide abandonar a Medicina e dedicar-se inteiramente à poesia. No mesmo ano publica seu primeiro livro, Poems , marcado por concepções ultra-românticas, mas não obtém sucesso. Em 1818, lança Endymion e inicia a produção de seu maior poema, Hyperion, que não chega a concluir devido aos primeiros sinais da tuberculose. Não obtém reconhecimento em vida, sendo cultuado apenas após sua morte, aos 26 anos.

Saiba mais aqui

Poesia

A Bela Dama Sem Piedade

 

 

Oh! O que pode estar perturbando você, Cavaleiro em armas,

Sozinho, pálido e vagarosamente passando?

As sebes tem secado às margens do lago,

E nenhum pássaro canta.

 

Oh! O que pode estar perturbando você, Cavaleiro em armas?

Sua face mostra sofrimento e dor.

A toca do esquilo está farta,

E a colheita está feita.

 

Eu vejo uma flor em sua fronte,

Úmida de angústia e de febril orvalho,

E em sua face uma rosa sem brilho e frescor

Rapidamente desvanescendo também.

 

 

Eu encontrei uma dama nos campos,

Tão linda… uma jovem fada,

Seu cabelo era longo e seus passos tão leves,

E selvagens eram seus olhos.

 

Eu fiz uma guirlanda para sua cabeça,

E braceletes também, e perfumes em volta;

Ela olhou para mim como se amasse,

E suspirou docemente.

 

Eu a coloquei sobre meu cavalo e segui,

E nada mais vi durante todo o dia,

Pelos caminhos ela me abraçou, e cantava

Uma canção de fadas.

 

Ela encontrou para mim raízes de doce alívio,

mel selvagem e orvalho da manhã,

E em uma estranha linguagem ela disse…

“Verdadeiramente eu te amo.”

 

Ela me levou para sua caverna de fada,

E lá ela chorou e soluçou dolorosamente,

E lá eu fechei seus selvagens olhos

Com quatro beijos.

 

Ela ela cantou docemente para que eu dormisse

E lá eu sonhei…Ah! tão sofridamente!

O último dos sonhos que eu sempre sonhei

Nesta fria borda da colina.

 

Eu vi pálidos reis e também príncipes,

Pálidos guerreiros, de uma mortal palidez todos eles eram;

Eles gritaram…”A Bela Dama sem Piedade

Tem você escravizado!”

 

Eu vi seus lábios famintos e sombrios,

Abertos em horríveis avisos,

E eu acordei e me encontrei aqui,

Nesta fria borda da colina.

 

E este é o motivo pelo qual permaneço aqui

Sozinho e vagarosamente passando,

Descuidadamente através das sebes às margens do lago,

E nenhum pássaro canta.

 

John Keats

(Tradução: Izabella Drumond)

 

O Poeta

John Keats (1795-1821) foi um poeta inglês do período Romântico. Durante sua curta vida, Keats produziu uma profunda e impressiva coleção de trabalhos. Entre seus mais refinados trabalhos encontram-se 65 sonetos, tais como Ode a Uma Urna Grega.

A Bela Dama Sem Piedade foi escrito em 1819, um ano durante o qual Keats criou um rico imaginário poético. Aos vinte e cinco anos de idade, John Keats sucumbiu a uma devastadora tuberculose e faleceu. Uma vida como a própria Era Romântica, breve, brilhante e possuída por visões que transcendem a passagem do tempo.

Poesia

A Bela Dama Sem Piedade

 

Oh! O que pode estar perturbando você, Cavaleiro em armas,

Sozinho, pálido e vagarosamente passando?

As sebes tem secado às margens do lago,

E nenhum pássaro canta.

Oh! O que pode estar perturbando você, Cavaleiro em armas?

Sua face mostra sofrimento e dor.

A toca do esquilo está farta,

E a colheita está feita.

Eu vejo uma flor em sua fronte,

Úmida de angústia e de febril orvalho,

E em sua face uma rosa sem brilho e frescor

Rapidamente desvanescendo também.

Eu encontrei uma dama nos campos,

Tão linda… uma jovem fada,

Seu cabelo era longo e seus passos tão leves,

E selvagens eram seus olhos.

Eu fiz uma guirlanda para sua cabeça,

E braceletes também, e perfumes em volta;

Ela olhou para mim como se amasse,

E suspirou docemente.

Eu a coloquei sobre meu cavalo e segui,

E nada mais vi durante todo o dia,

Pelos caminhos ela me abraçou, e cantava

Uma canção de fadas.

Ela encontrou para mim raízes de doce alívio,

mel selvagem e orvalho da manhã,

E em uma estranha linguagem ela disse…

“Verdadeiramente eu te amo.”

Ela me levou para sua caverna de fada,

E lá ela chorou e soluçou dolorosamente,

E lá eu fechei seus selvagens olhos

Com quatro beijos.

Ela ela cantou docemente para que eu dormisse

E lá eu sonhei…Ah! tão sofridamente!

O último dos sonhos que eu sempre sonhei

Nesta fria borda da colina.

Eu vi pálidos reis e também príncipes,

Pálidos guerreiros, de uma mortal palidez todos eles eram;

Eles gritaram…”A Bela Dama sem Piedade

Tem você escravizado!”

Eu vi seus lábios famintos e sombrios,

Abertos em horríveis avisos,

E eu acordei e me encontrei aqui,

Nesta fria borda da colina.

E este é o motivo pelo qual permaneço aqui

Sozinho e vagarosamente passando,

Descuidadamente através das sebes às margens do lago,

E nenhum pássaro canta.

 

John Keats

(Tradução: Izabella Drumond)

 

O Poeta

John Keats (1795-1821) foi um poeta Inglês do periodo Romântico. Durante sua curta vida, Keats produziu uma profunda e impressiva coleção de trabalhos. Entre seus mais refinados trabalhos encontram-se 65 sonetos, tais como Ode a Uma Urna Grega.

A Bela Dama Sem Piedade foi escrito em 1819, um ano durante o qual Keats criou um rico imaginário poético. Aos vinte e cinco anos de idade, John Keats sucumbiu a uma devastadora tuberculose e faleceu. Uma vida como a própria Era Romântica, breve, brilhante e possuida por visões que transcendem a passagem do tempo.