EDUCAÇÃO

[ 2 ] Comments
Compartilhar

MIRANDA SÁ (E-mail: mirandasa@uol.com.br)

“É melhor não ser educado do que ser educado pelos seus governantes'” (Thomas Hodgskin)

“A nossa educação histórica deve ser orientada pela nossa experiência política. Não devemos nos irritar com os miseráveis resultados da direção da coisa pública se não estivermos resolvidos a cuidar de uma melhor educação política”. Este é o pensamento dos que defendem uma escola politizada. Mas foi escrito por Adolf Hitler, no seu livro “Mein Kampf”.

Aquela professora petista que teve o desplante de dizer que as crianças “não pertencem aos pais, mas ao Estado”, acompanha, sem dúvida, orientação nazista, assim como vários parlamentares lulopetistas têm o mesmo ponto de vista.

O pior é que estas fanáticas e histéricas paixões pelo Estado Onipotente representam um atentado à individualidade, ao direito à privacidade e à liberdade de escolha, consagrados à pessoa humana.

Adotado como uma forma narcopopulista do bolivarianismo tupiniquim, entra naquele acúmulo de erros, decisões descabidas e maus programas que a autodenominada “esquerda” brasileira vem cometendo ao longo dos anos.

Embora não tenhamos uma Constituição dos nossos sonhos, enxuta e objetiva, capaz de atender os anseios sociais da administração pública, encontramos regulados nela a garantia dos direitos fundamentais dos cidadãos.

Para vivermos numa Democracia, precisa-se respeitar esses direitos fundamentais da cidadania, o direito à vida, à intimidade, à igualdade, à segurança e à liberdade, inseridos no art. 5° da Constituição em vigor.

Constatamos, infelizmente, que o espírito de justiça social é alvo dos partidos totalitários e os aprendizes de ditador. Não é por acaso que os que combatem uma escola livre de partidarismo são os mesmos que defendem as ditaduras como Cuba e Venezuela.

Essa gente segue consciente ou inconscientemente os ensinamentos hitleristas, como o que foi expresso no “Mein Kampf” por Hitler – “A educação deve ser orientada de tal maneira que um jovem, ao deixar a escola, não seja um pacifista democrata ou coisa que o valha”.

Isto não é o que a humanidade aspira, e muito menos os brasileiros amantes da liberdade. Vem da cultura grega uma lição que o grande filósofo Sêneca nos deixou como herança: “A educação exige os maiores cuidados, porque influi sobre toda a vida”.

Diante disso, cabe-nos reagir para enfrentar o ressurgimento das ideias totalitárias; não é possível que uma manada de búfalos fascistas imponha o modo de educar as crianças brasileiras para fazê-las robôs do Estado ou de um partido.

Na sua sabedoria o inconteste líder dos ingleses na luta contra o nazi-fascismo, Winston Churchil, escreveu que “Os fascistas do futuro se chamarão a si mesmos de antifascistas”. E é isto o que assistimos, alertamos e damos apoio ao movimento “Escola sem Partido”.

(Mein Kampf, 8ª edição em língua portuguesa “Minha Luta” da Editora Mestre Jou, 1962)

 

 

2 respostas para EDUCAÇÃO

  1. Mary de Paula disse:

    Sou professora, apoio a escola sem partido. Lutarei, se preciso for, até o fim, para que isso aconteça. Chega de alunos robotizados.

  2. JOSE AUGUSTO CORDEIRO disse:

    Excelente, na mosca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *