OS IGUAIS

[ 8 ] Comments
Compartilhar

MIRANDA SÁ (E-mail: mirandasa@uol.com.br)

    “Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres” (Rosa Luxemburgo)

Um presente sempre lembrado nos aniversários de pré-adolescentes, filhos e netos dos meus amigos, o livro “A Revolução dos Bichos”, de George Orwell, é uma referência na minha estante. Li-o pela primeira vez em 1948, na edição portuguesa emprestada por um colega de colégio.

Só vim a possuir um exemplar 32 anos depois, o lançamento no Brasil em 1980 da Editora Globo S/A, de Porto Alegre. A “Revolução dos Bichos” é uma fábula moderna, digna de constar do panteão que homenageia Esopo e Fedro, os azes de ouro do gênero. Não canso de relê-la.

A fábula (do latim fabula, história, regras, lição) é uma narrativa que surgiu no Oriente e levada à Grécia no século VI a.C. através de um escravo chamado Esopo, improvisador de versos, tendo como personagens animais que dão lições de moral aos homens.

Os textos, escritos ou orais, são geralmente curtos. Mais tarde, renasceram através do francês La Fontaine, o escocês Robert Louis Stevenson, o russo Liev Tolstói, os portugueses Sá de Miranda e Bocage, e o nosso excepcional representante, o brasileiro Monteiro Lobato.

Na Revolução dos Bichos, Orwell abordou com muita ousadia o tema da igualdade, em 1945, no pós-guerra, quando o poder soviético atraía a curiosidade e conquistava a simpatia de muitos. E veio justamente do sistema stalinista, ditatorial e policialesco, traidor dos princípios da revolução de 1917, o estímulo criador para desmascará-lo.

A palavra “igual”, vem do latim aequalis. É adjetivo de dois gêneros designando aquilo que tem as mesmas características e o mesmo valor, seja legal, matemático ou moral. Numa Democracia, é, por princípio o direito de um povo. A Igualdade no Brasil é prevista no artigo 5º da Constituição Federal, chamado de “Princípio da Igualdade” e que diz serem todos iguais perante a lei.

É evidente que o texto constitucional não se trata de igualdade da matemática e da natureza, mas da igualdade política e social. Que se torna difícil de garantir por que relaciona os indivíduos comuns e os ocupantes do poder.

Desgraçadamente a sociedade é regida por leis que sempre têm brechas capazes de privilegiar alguns, por que são feitas por eles próprios. Esses “alguns” são aqueles que Orwell mostrou na sua “Revolução dos Bichos”, os porcos que lideraram a revolução sob a égide de sete mandamentos entre os quais “Todos os animais são Iguais”.

Comandada por um porco ditador, a burocracia política e administrativa da Granja dos Bichos foi-se acomodando, se corrompendo, e traindo todo o ideário da revolução, com os porcos se humanizando, abolindo os mandamentos e substituindo-os por uma só divisa: “Todos animais são iguais, mas alguns animais são mais iguais do que os outros”…

Se ficarmos desatentos, tropeçamos nas valas do “todos somos iguais”. Começa com os possuidores do “foro privilegiado”, mais iguais dos que nós. Temos uma pá deles no Congresso Nacional com processos engavetados no Supremo Tribunal Federal; e não aparece um meritíssimo para julgá-los cumprindo a Constituição.

Nos tríplex dos andares de cima do edifício social há pessoas criminosas e sem ”foro privilegiado”, que também são mais iguais do que as outras… O julgamento deles dura o tempo suficiente para a prescrição dos crimes. Há uma enorme fila de espera para se safar como FHC e Sarney o fizeram… Lula está entre eles.

Na moral da fábula orweliana vê-se que a igualdade é associada à não-discriminação; e vem daí a dificuldade de implantá-la entre os humanos. Papai Balzac já dizia:  “A igualdade pode ser um direito, mas não há poder sobre a Terra capaz de a tornar um fato”.

 

8 respostas para OS IGUAIS

  1. WELTON REIS DOS SANTOS disse:

    Quando alguém me disse certa vez, una-se aos seus iguais, na hora me pareceu um xingamento e não era. As castas são diferenciadas pelos seus iguais e não significa que todos partilhem as mesmas iguarias. A hipocrisia é da nossa república que criou iguais especiais perante a lei por mais que ela diga que somos e não quem são os iguais. Belo texto.

  2. Lekozanona disse:

    Sensacional, parabéns! –

  3. Parabéns mestre Miranda Sá por desenvolver mais um excelente texto. De fato, a igualdade neste mundo e inclusive no Brasil, só existe no papel. Na pratica, o termo é corrompido. Até quando ?

    Abraço.
    Rogério Marcelino
    Twitter : @RogerMar32

  4. Alexsandro Fernandes disse:

    Aqui nessa nossa terra brasileira a igualdade se dá pelos deveres que compartilhamos majoritariamente. As castas mais privilegiadas vão aparecendo quando começa a se medir os direitos. Ai sim, se você for funcionário público, político, portador de cargo de confiança ou apadrinhado político de algum figurão, tá descoberto os porcos da brilhante fábula de Orwell

  5. Irene Mattos Felix disse:

    Maravilho texto Sabemos que as diferenças entre os “iguais” persistirão, mas a nossa luta para acabar com os foros privilegiados também Não podemos temer a prescrição dos crimes , eles pagarão de algum modo , a História não perdoa

  6. Ricardo disse:

    Fico feliz em ver as pessoas comentando e elogiando o Miranda…

  7. “Na Revolução dos Bichos, Orwell abordou com muita ousadia o tema da igualdade, em 1945, no pós-guerra, quando o poder soviético atraía a curiosidade e conquistava a simpatia de muitos. E veio justamente do sistema stalinista, ditatorial e policialesco, traidor dos princípios da revolução de 1917, o estímulo criador para desmascará-lo”. Miranda Sá

  8. Mary de Paula disse:

    Seria utopia achar que um dia existirá igualdade?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *