CARNAVAL

[ 13 ] Comments
Compartilhar

Miranda Sá (E-mail: mirandasa@uol.com.br)

“Ô Abre Alas/Que eu quero passar/ Eu sou da Lira,/ Não posso negar!” (Chiquinha Gonzaga)

Para falar do carnaval brasileiro é inevitável que a epígrafe deste artigo homenageie a compositora Chiquinha Gonzaga, com seu pioneirismo histórico. É uma das primeiras marchinhas de carnaval abrindo o tema da alegria com a sua explosão de comicidade e crítica política.

“Ô Abre Alas” é de uma época em que a liberdade de pensamento sobrepunha o cretino “politicamente correto”. Antecedeu e incentivou o que foi cantado pela massa de acobreados, amarelos, brancos, mestiços e pretos,  “Amélia”, “Alah-la-ô”, “Cabeleira do Zezé”, “Nega Maluca”, “O teu cabelo não nega”, Índio quer apito” e o “O Rei Zulu”…

Poucos sabem, porém, sobre a origem do Carnaval. Uma escola de historiadores associa-o às festas da colheita no antigo Egito em louvor à deusa Ísis e de lá se espalhou pelo mundo, das encostas do Himalaia até o Ocidente.

Chegou à Grécia incorporando-se à festa da colheita da uva reverenciando o mitológico deus Dionísio, patrono do vinho, e foi adotado em Roma, festejando Baco, regente também do vinho e das festas.

Daí veio a palavra Carrus Navalis, carroça que transportava uma enorme barrica com vinho que era distribuído ao povo, numa comemoração que se estendeu até muito tempo depois do advento do cristianismo, até o Renascimento, com os bailes de máscara.

A sabedoria da Igreja Católica que sincretizou uma imensa quantidade de deuses e mitos pagãos, levou o papa Gregório no ano de 590 a incorporar o Carnaval no calendário das festas cristãs, como preparação para o ciclo de jejum e contrição da Quaresma.

Oficializado, o Carnaval atravessou o Atlântico e veio de Portugal para o Brasil como o ‘entrudo’ já na era colonial, incentivado pelos padres e tornando-se a maior celebração do povo brasileiro. Aqui, com críticas e irreverências, traduziu pela boca do povo a voz de Deus…

Nosso carnaval escancara a nuvem entre a realidade e a fantasia. Faz narrativas proverbiais sem o requinte das composições literárias. Homens caricaturando animais, satirizando as mulheres e vice-versa; mascarando o comportamento trivial das pessoas..

As fantasias e canções carnavalescas por metalépse e metalinguagem subvertem a realidade. Infelizmente a sua espontaneidade crítica vem esmaecendo com o tempo; neste ano do Senhor de 2016, pelo que eu saiba só a marchinha ”O Japa da Federal” expressa a sacanice popular.

Como o Rei Momo reina por quatro dias e é quem manda no imaginário do povo, vamos à diversão nas ruas politizando com destaque ao Japa da Federal… Atrairemos os foliões de cuca aberta para sair com o Japa arrancando risadas do povo.

Vários motes estão também à disposição para quem quiser criticar, tanto no critério individual quanto dos blocos que surgem por afinidade. Já imaginaram um Bloco da Mandioca? Quem sabe um carro alegórico para “estocar o vento”? A presidente Dilma, com suas intervenções sem pé nem cabeça será certamente a musa do desprezo pelo seu governo desastrado.

Outra motivação vem da Lava Jato no encalço de Lula da Silva… O Pelegão é uma ótima fonte de inspiração, com as palestras fajutas, leniência ou participação com a roubalheira, a suspeita de acumulação de riqueza ilícita e a sua “honestidade”…

O “Triplex do Guarujá” da família Lula da Silva é também um assunto para as troças e um bloco dos “Sem Teto”… E os 14 caminhões (um frigorífico) da mudança do Ex-presidente do Alvorada para o sítio de Atibaia podem inspirar um cordão carnavalesco…

Na embriaguês alegre da imaginação há de se caricaturar os presos do Mensalão e os parlamentares investigados como Renan, Collor, Eduardo Cunha, Gleise Hoffman , Humberto Costa e Lindemberg Farias… Aqui no Rio, especialmente, o governador Pezão dará uma alegoria incrível.

O carnaval é uma festa popular… Sugiro a formação de um bloco sobre o Aedes Egipti e a mobilização das FFAA fantasiadas de mata-mosquitos enfrentando uma guerra considerada perdida por Dilma!

Estou com vontade de formar o Bloco da Vassoura, com o estandarte do Triplo X, exercitando, com ziriguidum, o exercício de cidadania. “Abre alas que os honestos vão passar sacaneando os corruptos e cantando com o Japa da Federal: “Vem prá cá você ganhou uma viagem ao Paraná!”

 

13 respostas para CARNAVAL

  1. Rodrigo Cortes disse:

    Boa ideia a formação do Bloco da Vassoura. Se me permite, faço a sugestão de homenagear como Rainha do Bloco da Vassoura, Aurora Miranda, cantando: ONDE ESTÁ O DINHEIRO?

    • Alvaro Santos disse:

      Metalépse ,Figura de retórica, em que se toma o antecedente pelo consequente, e vice-versa.
      .
      Metalinguagem, é usado para denominar o uso da linguagem para falar … e espera-se que o significado do que foi dito seja compreendido corretamente, …
      .

      .As fantasias e canções carnavalescas por metalépse e metalinguagem subvertem a realidade.
      .
      Podemos entender então que o PT/Lula/Dilma&Cia vivem um carnaval insano vinte quatros horas?
      .

      Nosso carnaval escancara a nuvem entre a realidade e a fantasia. (dei uma de Barroso e cortei o texto para que se adeque ao que quero que entendam)…
      .

  2. No momento em que o mundo é palco de tantos atos de violência e desamor e as criaturas humanas se fecham, amedrontadas, no casulo do egoismo, ou da individualidade, chega o Carnaval para relaxar o povo Brasileiro e esquecer por alguns dias o que o nosso país está realmente passando com tantos Corruptos, e Hipócritas em dois governos consecutivos.
    Vamos realmente pensar que tudo é festa e esquecer por alguns dias os problemas que estamos vivendo e vale quaisquer tipos de fantasias.

  3. Roseane Vital Gobbi disse:

    Parabéns Miranda…uma agradável aula de história avompanhada de uma reflexão da atualidade . Obrigada pela generosidade.

  4. vileite disse:

    Texto perfeito de ‘ cabo a rabo ” desde a origem do carnaval até o que nos sucede nos tragicômicos dias atuais .

  5. Alvaro Santos disse:

    Metalépse ,Figura de retórica, em que se toma o antecedente pelo consequente, e vice-versa.
    .
    Metalinguagem, é usado para denominar o uso da linguagem para falar … e espera-se que o significado do que foi dito seja compreendido corretamente, …
    .

    .As fantasias e canções carnavalescas por metalépse e metalinguagem subvertem a realidade.
    .
    Podemos entender então que o PT/Lula/Dilma&Cia vivem um carnaval insano vinte quatros horas?
    .

    Nosso carnaval escancara a nuvem entre a realidade e a fantasia. (dei uma de Barroso e cortei o texto para que se adeque ao que quero que entendam)…
    .

  6. welton reis disse:

    E também mestre Miranda não pode faltar o samba cantado pelo também mestre Moreira da Silva…se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão! Valeu o texto pela história e a sátira aos proceres mambenbes do cenário político tupiniquim!

  7. elisabeth laval jede disse:

    Muito bom artigo Miranda Parabens ! Eu qu puei muitos carnavais só estou sabendo da origem da festa pelo teu conhecimento transmitido com maestri! Muito bom como tudo que você escréve!Grande abraço.

  8. deaC disse:

    Houve um tempo que mesmo as grandes Escolas de Samba tinham enredos com teor político, como você diz, isso antes do politicamente correto.
    Ótimo texto Miranda, grande conhecimento de História.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *