Pac Pac Pac Pac…

Comentar
Compartilhar

Miranda Sá (E-mail: [email protected] )

O poeta Vinicius de Moraes, com rica inspiração, escreveu a letra d’ O Relógio: “Passa tempo, tic-tac/ Tic-tac, passa, hora/ Chega logo, tic-tac/ Tic-tac, e vai-te embora”; e eu, com atrevimento, fiz uma paródia do verso, pela onomatopéia “pac-pac”, reportando-me à propaganda ilusória das obras de Dilma.

Registro a minha composição d’ A Mentira: “Passa o tempo, pac-pac/ Pac-pac que demora/ Que vergonha, pac-pac/ Pac-pac, vai-te embora”.

Influenciou-me as fraudes que se repetem num pac-pac que perturba os realistas e entonteiam os desavisados, na lavagem cerebral da marquetagem lulo-petista. Começam pela projeção do PIB para 2015, como sempre maquiada pelo ministro Mantega. Os retoques do Orçamento mascaram o abatimento de 0,5% do PIB (até R$ 28,7 bilhões) para investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento, PAC.

Isto prevê mais uma jóia falsa na coroa de Dilma: O PAC3, anunciado por ela como início da sua campanha re-eleitoral. Os brasileiros bem informados sabem que os PACs anteriores ainda não foram concluídos ou nem ao menos saíram do papel, apesar das vultosas verbas para eles destinadas.

Num País sério, o lançamento do PAC3 seria motivo de cadeia; no mínimo de um impeachment. Não é apenas mais uma promessa da vasta coletânea de promessas da dupla Lula-Dilma, mas trata-se de um escárnio para a opinião pública.

Uma manada de iludidos, de fanáticos, de aproveitadores e mercenários acreditam ou fingem acreditar nessas astúcias do PT-governo, usando todos os artifícios para manter o poder seguindo a ideologia dos pelegos “os fins justificam os meios”. Mas, por outro lado, confio que a inteligência brasileira não se deixa enganar, até porque a forma de projetar o PAC3 é ridícula.

Entrevistada por um jornalista chapa-branca que lhe perguntou quando seria lançado o novo programa, Dilma disse: “Lá por agosto, eu acredito”. Será às vésperas da eleição, para engrossar a impostura. Empurra com a barriga, porque no PT-governo de concreto só apresenta incompetência e roubalheira.

Nesse planejamento de natureza marqueteira cria-se sempre uma construção virtual para escorar as mentiras de Lula, que apresenta Dilma como uma “gerentona” que trabalha, constrói e fiscaliza as suas obras. Monumental chicana!

Na realidade, quem tem os pés no chão, olhos de ver e ouvidos de ouvir, sabe que há restos do PAC1, de 2007; são obras inacabadas, como a transposição do Rio São Francisco e a Ferrovia de Integração Leste-Oeste.

No PAC2, projetos enganosos se arrastam como a Hidrelétrica de Belo Monte, a Usina Nuclear de Angra 3, o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro, a Refinaria Abreu e Lima e a Ferrovia Nova Transnordestina.

Falando em aeroportos – semana passada Dilma disse que não há problemas nos aeroportos – o site Contas Abertas registra que das 106 obras aeroviárias que constavam do PAC2, 32% ainda estão em estágios primários.

Ainda no PAC2 somente só foram terminadas 30% das obras em rodovias previstas; e do decantado projeto social, a previsão das 5.257 creches e pré-escolas ficou na construção de 4,2% delas!

O tapa-buraco das justificativas se enche de quilos de vaselina. Diz-se que cronogramas atrasaram (sem dizer por que), entraves criados por questões ambientais e burocracia do Ministério Público e Tribunais de Contas… Gigantesco engana-trouxa.

Quando, porém, se trata de dinheiro público, vigora um arrumadinho para as licitações; o regime diferenciado facilita (em duplo sentido) tudo o que consultorias e empreiteiras pedem. A transposição das verbas já ultrapassou o montante destinado aos PACs 1 e 2.

… E se vão 12 anos na estrada da falsidade ideológica do lulo-petismo com os tamancos da corrupção sonorizam o avanço ao Erário. Pac pac pac pac…