Discurso de Caetano Veloso durante a apresentação de “É Proibido Proibir” – 1968

Deixe um comentário
Compartilhar
CLIQUE AQUI PARA OUVIR
CLIQUE AQUI PARA OUVIR

em meio às vaias no III Festival Internacional da Canção (Fase Nacional), em 68 – TV Globo.

 

“…Mas é isso que é a juventude que diz que quer tomar o poder? Vocês têm coragem de aplaudir, este ano, uma música, um tipo de música que vocês não teriam coragem de aplaudir no ano passado? São a mesma juventude que vão sempre, sempre, matar amanhã o velhote inimigo que morreu ontem? Vocês não estão entendendo nada, nada, nada, absolutamente nada. Hoje não tem Fernando Pessoa. Eu hoje vim dizer aqui, que quem teve coragem de assumir a estrutura de festival, não com o medo que o senhor Chico de Assis pediu, mas com a coragem, quem teve essa coragem de assumir essa estrutura e fazê-la explodir foi Gilberto Gil e fui eu. Não foi ninguém, foi Gilberto Gil e fui eu!”

 

“Vocês estão por fora! Vocês não dão pra entender. Mas que juventude é essa? Que juventude é essa? Vocês jamais conterão ninguém. Vocês são iguais sabem a quem? São iguais sabem a quem? Tem som no microfone? Vocês são iguais sabem a quem? Àqueles que foram na Roda Viva e espancaram os atores! Vocês não diferem em nada deles, vocês não diferem em nada. E por falar nisso, viva Cacilda Becker! Viva Cacilda Becker! Eu tinha me comprometido a dar esse viva aqui, não tem nada a ver com vocês. O problema é o seguinte: estão querendo policiar a música brasileira. O Maranhão apresentou, este ano, uma música com arranjo de charleston. Sabem o que foi? Foi a Gabriela do ano passado, que ele não teve coragem de, no ano passado, apresentar por ser americana. Mas eu e Gil já abrimos o caminho. O que é que vocês querem? Eu vim aqui para acabar com isso!”

 

“Eu quero dizer ao júri: me desclassifique. Eu não tenho nada a ver com isso. Nada a ver com isso. Gilberto Gil (entrando no palco). Gilberto Gil está aqui comigo, para nós acabarmos com o festival e com toda a imbecilidade que reina no Brasil. Para acabar com isso tudo de uma vez. Nós só entramos no festival pra isso. Não é Gil? Não fingimos. Não fingimos aqui que desconhecemos o que seja festival, não. Ninguém nunca me ouviu falar assim. Entendeu? Eu só queria dizer isso, baby. Sabe como é? Nós, eu e ele, tivemos coragem de entrar em todas as estruturas e sair de todas. E vocês? Se vocês forem… se vocês, em política, forem como são em estética, estamos feitos! Me desclassifiquem junto com o Gil! Junto com ele, tá entendendo? E quanto a vocês… O júri é muito simpático, mas é incompetente.”

 

“Deus está solto!”

 

(Cantando) “Me dê um beijo, meu amor/ Eles estão nos esperando/ Os automóveis ardem em chamas/ (declamando) Derrubar as prateleiras/ As estantes/ As estátuas/ As vidraças/ louças, livros, sim/ E eu digo, (gritando) sim/ E eu digo, não ao não/ E eu digo: (cantando) Proibido proibir. (Discursando) Fora do tom, sem melodia. Como é júri? Não acertaram qualificar a melodia de Gilberto Gil? Ficaram por fora. Gil fundiu a cuca de vocês, hein? É assim que eu quero ver. Chega! …”

 

CLIQUEM NA IMAGEM PARA OUVIR

Uma resposta para Discurso de Caetano Veloso durante a apresentação de “É Proibido Proibir” – 1968

  1. Parabéns Caetano. É gostoso ler e sentir como foi emocionante, O Grande Caetano Veloso botar a platéia no lugar, mostrando já quem seria Ele. É emocionante também ver a solidariedade de Gilberto Gil, ao entrar no palco, e ficar ao lado de Caetano.
    Esses caras merecem o agradecimento do Brasil!

  2. Alberto E S disse:

    Tive a honra de conhece essa alma pessoalmente, foi a melhor coisa da minha vida ter dito a Cetano Veloso que escuto as musicas dele todos os dias. Amo esse cara, tenho orgulho da Bahia e do Brasil por almas como esta.

  3. […] dias assisti uma porção de imagens incríveis de acervos da Tropicália. Do tempo em que Caetano dizia que “é proibido proibir”. Do tempo em que Caetano berrava contra estudantes que o vaiavam dizendo “Vocês não estão […]

  4. Stéphany disse:

    Uma das melhores partes deste discurso foi: “Não fingimos. Não fingimos aqui que desconhecemos o que seja festival, não. Ninguém nunca me ouviu falar assim. Entendeu? Eu só queria dizer isso, baby. Sabe como é? Nós, eu e ele, tivemos coragem de entrar em todas as estruturas e sair de todas. E vocês? Se vocês forem… se vocês, em política, forem como são em estética, estamos feitos!”

    Eles na forma da musica conseguiram entrar em todas as estruturas politicas e sociais,e sair delas..sem que muitos não entendecem…pois infelizmente faziam parte do bando..do bando..do bando que fica sendado no sofá vendo novela,sem se preocupar com os acontecimentos do mundo,sem lutar pelos seus direitos,e direitos de seu povo!(Acho que devo parar por aqui,se não me empolgo e faço um texto,rsrs)
    Mas Parabéns aos dois,pela coragem,de se expressar!

  5. Thadeu Lima disse:

    Depois de ler essas pérolas, não há necessidade de comentar ou justificar o que quer que seja, o discurso (ou melhor, essa obra de arte escrita) já fala muito, ou tudo por si só.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *