Arquivos Mensais: abril 2012

O ‘moralismo udenista’ e o ‘amoralismo lulo-petista’

Artigo de MIRANDA SÁ (E-mail: [email protected])

 

No momento em que a Nação Brasileira debate o aviltamento da moral política, com a multiplicação das denúncias de corrupção nos círculos do poder, põe-se no plano das idéias a dicotomia ideológica ‘esquerda – direita’.

A tendência dessa discussão desaguará, como uma cachoeira, no delta de um princípio filosófico que a direita aponta para a esquerda e esta, por sua vez, alega ser da direita, “os fins justificam os meios”.

Assim, na inevitável colisão da oposição com o governo, ouve-se o oficialismo rotular de ‘moralismo udenista’ a busca de criminalizar os assaltos ao Erário. Os lulo-petistas querem minimizar os desvios de conduta de seus partidários, como se fossem sacrificados por excessivas exigências moralizantes.

Talvez os que papagueiam este argumento nem saibam o que é ‘moralismo udenista’, o que foi a UDN e o udenismo na História Republicana do Brasil. Pois bem. A União Democrática Nacional foi um partido político brasileiro fundado em 7 de abril de 1945, em oposição à Ditadura Vargas.

A UDN nasceu conservadora, defendendo o liberalismo clássico e agarrando-se ao moralismo institucional. Embora assentado nas classes médias, o partido por ser contra o populismo que caracterizava o governo de Getúlio Vargas, assumiu uma postura aparentemente antipopular, tachado de “partido dos casacudos”.

Tendo a probidade e a honradez como marca nos seus programas, manifestos e discursos, a movimentação de suas lideranças era direcionada às denúncias de corrupção governamental ou da “sindicalização” do poder.

Isto não significou reacionarismo e muito menos fascismo. Atendia a valores defendidos pelos tenentes de 22 e 24, e da expressão esquerdista ‘prestismo’ que aflorou na década de trinta com a Aliança Nacional Libertadora.

Em nome da verdade histórica, a UDN – pela sua formação – foi mais avançada do que os partidos getulistas, tendo votado a favor do monopólio estatal do petróleo, contra a cassação dos mandatos da bancada comunista e o fechamento do PCB, proposições em que o PSD e o PTB se dividiram.

Se o ‘moralismo udenista’ é um defeito, o que dizer do ‘amoralismo lulo-petista’? É bom lembrar que o amoralismo político recebeu uma dura crítica de Marx, cuja explicação da moral encontra-se nas ‘Teses sobre Feuerbach’ e no ‘18 Brumário de Luiz Bonaparte’.

E embora com grande influência no lulo-petismo, suponho que os trotskistas devem ter lido ‘Moral e Revolução’ para saber que o teórico da revolução permanente acusa o jesuitismo pela criação do princípio “os fins justificam os meios”. O ‘amoralismo lulo-petista’ não tem resguardo na esquerda marxista, pelo contrário.

Podíamos até dizer – ou ensinar a certos professores uspeanos – que o ‘amoralismo lulo-petista’ nada tem de esquerda, como negação dos valores sociais. Como filosofia, está afixado no individualismo requentado de Stirner e Nietzsche.

A concepção de moral pode e deve ser vista como contribuição para fortalecer a sociedade humana. São necessários princípios e critérios para uma Nação civilizada, mesmo quando se exerce o realismo político dominante entre nós, nos poderes republicanos, nos partidos, nos movimentos sociais e até na economia…

Subtrair da vida social a avaliação moral dos agentes públicos é impensável para quem defende o bem comum e justiça para todos. Como se vê na conjuntura atual do País em que vigora a Lei de Gerson: Cada qual querendo levar vantagem em tudo.

Pobre Brasil em que os Legisladores legislam em causa própria; os magistrados vacilam em julgar os poderosos e os governantes enriquecendo do dia para a noite. Tudo isto “bem nascido” de um sistema partidário deperecido, e da irresponsabilidade moral dos carreiristas e oportunistas – de direita ou esquerda – que profissionalizaram o exercício da política e assumiram a exploração do aparelho de Estado.

 

 

William Carlos Williams

RETRATO PROLETÁRIO

 

 

Mulher jovem corpulenta sem chapéu
de avental

Cabelo puxado para trás parada
na rua

A ponta do pé descalço
tocando a calçada

Sapato na mão. Olhando-
o atentamente

Retira a palmilha de cartão
para achar o prego

Que a estava machucando

Governo opera para controlar foco da CPI

Base aliada quer restringir investigações a Marconi Perillo e desviar as atenções da empreiteira Delta

Partidos aliados do governo, em especial o PT, já definiram a estratégia para a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira. Os principais pontos são concentrar as investigações no governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), evitar eventuais vazamentos de documentos sigilosos e poupar a Delta Construções, limitando a apuração aos funcionários da empreiteira com participação no esquema do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Os petistas, incentivados pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, querem também tirar o foco da Delta por sua condição de principal construtora do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). (Esyadão)

Chamadas de 1º página_2ª feira, 30.abr.12

O GLOBO – Portos terão investimentos de R$ 31 bi com privatizações

FOLHA DE SP – Brasil deveria dar prioridade ao combate à impunidade

ESTADÃO – Governo opera para controlar foco da CPI

C. BRAZILIENSE – A CPI não tem tempo a perder, dizem congressistas

VALOR ECONÔMICO – Delta recebeu mais de R$ 1 bi da gestão Cabral

ESTADO DE MINAS – PF amplia leque dos investigados

JORNAL DO COMMERCIO – Delta recebeu R$ 3 bilhões de verbas do PAC

ZERO HORA – Empresário gaúcho foi alvo de Cachoeira

Alberto Caeiro

POUCO ME IMPORTA

 

Pouco me importa.
Pouco me importa o quê? Não sei: pouco me
[ importa.

24/10/1917
(Alberto Caeiro, Poemas Inconjuntos, 1913-15)

Patrimônio de Demóstenes quadruplicou após eleição

Senador disse à Justiça Eleitoral ter R$ 374 mil, mas logo depois comprou apartamento de R$ 1,2 milhão

Quatro meses depois das eleições de 2010, o patrimônio do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) praticamente quadruplicou. O parlamentar suspeito de participar de esquema com o contraventor Carlinhos Cachoeira, comprou um apartamento de R$ 1,2 milhãoem Goiânia. Oimóvel tem701 metros quadradose está num dos edifíciios mais luxuosos da cidade. Em 2010, quando se reelegeu senador, Demóstenes declarou patrimônio de R$ 374 mil – na relação entregue à Justiça Eleitoral, não constam imóveis. Promotor de Justiça, Demóstenes optou pelo salário de senador ao assumir o cargo e recebe mensalmente R$ 26,7 mil. O parlamentar negou irregularidades. (Estadão)

Delta é acusada de contratar fantasmas e abandonar obras

Empresa também é suspeita de apresentar documentos falsos em licitação

Contratação de funcionários fantasmas, obras de má qualidade ou abandonadas são algumas das acusações enfrentadas país afora pela Delta, construtora do centro do escândalo que levou à criação da CPI sobre atividades de Carlinhos Cachoeira. No Rio, a empreiteira abandonou a construção do Engenhão, em 2007, por falta de condições de entregar a sua parte da obra no prazo. O Ministério Público investiga ainda a contratação de 67 funcionários fantasmas para trabalhar na coleta do lixo em Duque de Caxias.Em São Paulo, o alvo dos promotores é um contrato de R$ 1,1 bilhão para varrição de lixo, assinado entre a prefeitura da capital e o consórcio do qual a Delta faz parte. Há suspeita de apresentação de documentos falsos na licitação. Em Recife, moradores de uma comunidade abandonaram suas casas às pressas porque uma caixa d’água, construída pela empresa, ameaça desabar. (O Globo)

Sinopse das revistas semanais, 23 a 29 de abril

VEJA

Capa – As lições das chefonas * Entrevista: Amartya Sem * O primeiro round * CPIs: Todos sabem como elas começam… * Quem vai rir por último? * Um entra declamando, o outro sai atirando * Ele vai explodir? * Especial: Arquitetura * Internacional: O elixir do populismo * Economia: Intolerância inflacionária * E os juros caíram * Dois lados da mesma moeda

ÉPOCA

Capa – Da Tijuca para Wwll Street: Uma celebração do empreendedorismo * A taxa sinistra diminuiu * “Fui afastado pela negociata de uma empreiteira e um contraventor ” * O homem de Cachoeira na Justiça * O empreiteiro está na mira * Disputa por um pedaço de Goiás * Entrevista com Magda Chambriard: “Quero me cercar dos mais capazes” * O aborto além da anencefalia * Idéias: Os novos trombones da direita * A utopia dos índices de felicidade * Entrevista com Robert Kagan: “O mundo seria pior sem o domínio dos EUA” * Internacional: Cristina Kirchner, populista e sem limites

Istoé

Capa – Veta, Dilma! Atentado à floresta * Editorial: A insustentável corrupção do poder * Uma rede criminosa que corrompe o País * As assombrações de Protógenes * O STF rachado * O resultado das cotas * Inimigos na trincheira * Internacional: Um golpe argentino e A volta da guerra direita-esquerda * Entrevista: Marcelo Madureira * Economia: Precisa cair mais * Embraer sob controle * Os narcossubmarinos * A prostituta e os marines * A guerra de Niterói

Istoé Dinheiro

Capa – As marcas mais valiosas do Brasil em 2012 * Bradesco é a marca de banco mais valiosa do Brasil em 2012 * Reportagem:  surto populista de Cristina * Juros: Os bancos privados começam a cortar * A casa caiu, Cavendish * O PIB da felicidade *A ascensão da classe média * Paz na guerra dos portos * Entrevista: Carl Bass * Economia: Metamorfose nacional Investidores: Ameaça nos fundos de crédito * Fortunas pelo social * Petrobras no topo * O plano de voo da Oi Finanças: A chapa dos bancos esquentou

ÉPOCA

Capa – Ayres de Brito: “Não podemos ceder à pressão * Editorial: Opinião pública, o que é? * Entrevista: “Quero humanizar São Paulo” * “César Batista” O assassino italiano rebatizado durante uma sessão de autógrafos * A CPI da salsicha * Portos fechados. À força * A força dos extremistas * A miragem do crescimento * Nosso Mundo: As voltas que o mundo dá * Lances e Apostas: Apertem os cintos

EXAME

Capa – As maiores fortunas da Bolsa * Gestão: O Walmart na berlinda

 

Chamadas de 1ª página_Domingo, 29.abr.12

O GLOBO – Delta é acusada de contratar fantasmas e abandonar obras

FOLHA DE SP – Programa traz novas revelações sobre o caso Cachoeira

ESTADÃO – Patrimônio de Demóstenes quadruplicou após eleição

C. BRAZILIENSE – Cachoeira espionou a diretoria do DNIT

ESTADO DE MINAS – Procurador impedido de depor na CPI

JORNAL DO COMMERCIO – Supremo discute detalhes do mensalão

ZERO HORA – À espera do 4G, clientes enfrentam rede limitada

Jacques Prévert

CAFÉ DA MANHÃ

 

Pôs café
na xícara
Pôs leite
na xícara com café
Pôs açúcar
no café com leite
Com a colherzinha
mexeu
Bebeu o café com leite
E pôs a xícara no pires
Sem me falar
acendeu
um cigarro
Fez círculos
com a fumaça
Pôs as cinzas
no cinzeiro
Sem me falar
Sem me olhar
Levantou-se
Pôs
o chapéu na cabeça
Vestiu
a capa de chuva
porque chovia
E saiu
debaixo de chuva
Sem uma palavra
Sem me olhar
Quanto a mim pus
a cabeça entre as mãos
E chorei.

Tradução: Silviano Santiago