Arquivo do mês: novembro 2011

Ivete Sangalo – Olha

Artigo

As ratazanas desonram a Bandeira Nacional

MIRANDA SÁ (E-mail: mirandasa@uol.com.br)

 

Não é surpreendente o sucesso que os ratos da corrupção, ressuscitados pelos marqueteiros do PSDB de uma peça produzida para o PT em 2002 por Duda Mendonça. Os mamíferos roedores saíram dos buracos para a telinha da TV num programa político em dez inserções de 30 segundos.

É talvez a primeira vez em que o povão foi atingido pelo combate à corrupção generalizada nesses nove anos de governo Lula Rousseff, com uma amostragem e um alerta contra a roubalheira.

Parece-me ser também contundente o simbolismo do rato roendo um pedaço da bandeira do Brasil, arrotando e dando risada, como uma crítica direta à realidade que atravessamos, onde a impunidade reina.

É este, realmente, o panorama político que se descortina atualmente. Anote-se e reflita-se sobre a situação da presidente Dilma diante das execráveis figuras de Carlos Lupi e Mário Negromonte, titulares das pastas do Trabalho de das Cidades; ela os nomeou, e só cabe a ela tirá-los de onde estão, apodrecidos em si e repugnados pela opinião pública.

Observadores de boa fé analisam de que nada adianta trocar Lupi e Negromonte, se o PDT continuar no Trabalho e o PP nas Cidades… Recomendam paciência e espera por uma reforma ministerial que poderá vir nos começos do ano que entra. Qual o quê! Só haverá reforma com o fim do enfeudamento dos ministérios.

O mal está na divisão do primeiro escalão do governo em capitanias hereditárias e sua distribuição – em nome da “governabilidade” –  aos aderentes fisiológicos do governo, todos corruptos, com poucas e honrosas exceções…

A reforma ministerial rola pelas cabeças planaltinas, em sua maioria politicamente despreparadas e administrativamente incapazes. Para Dilma se livrar dos grilhões do fisiologismo, indicando pessoalmente os quadros de que o Brasil precisa para sair do atoleiro, é preciso pairar acima dos partidos, do seu, o PT, e do consorte PMDB.

Seria bom, também, desvincular o seu mandato da série de nove anos de associação com o antecessor e criador, Lula da Silva. Que seja o seu “segundo” ano de exercício após doze meses perdidos…

Desatando esses nós da amarração dependente, a Presidente pode até resolver, além dos problemas pessoais, a dúvida que Lula expressa em entrevista à revista New Yorker, se será ou não candidato novamente à presidência da República. Ele disse que “não tenho coragem de dizer que vou concorrer, como não tenho coragem de dizer que não vou concorrer.”

É claro que essa resposta ambígua e incerta contém um recado para Dilma. Ele deixa a decisão para ela, com o cretinismo personalista que o caracteriza e que não lhe deixa enxergar que já não será o mesmo Lula que deixou o governo com a aprovação de 80% da opinião pública.

Lula hoje é outro. Com uma fortuna anunciada pela revista especializada Forbes, com os filhos bem situados na vida, milionários, só lhe faltando uma reconciliação com os italianos para recuperar o direito de dupla cidadania… Ele está mais para aquele rato gordo que sorri e arrota na peça de Duda Mendonça…

Lembro também a necessidade de renovação dos quadros políticos, como o próprio Lula aconselha ao seu partidoem São Paulo. Asucessão de Dilma – que parece começar com as eleições municipais do ano que vem – deveria afastar os interesses pessoais e se colocar acima da politicagem partidária.

Acho muito difícil, mas se restar uma nesga de patriotismo neste País, deveria vigorar a Lei da Ficha Limpa no pleito que se avizinha e na indicação dos nomes para disputar os mandatos executivos estaduais e o federal. Quem sabe se isso não seria um exemplo para que o Judiciário ouvisse um pouco do que diz a ministra Eliana Calmon, corregedora do Conselho Nacional de Justiça?

Faríamos assim uma assepsia geral nos três poderes da República restaurando a moralidade e a ética exaltadas pelos seus agentes em discursos públicos. Usando uma espécie de raticida para evitar a desonra da Bandeira Nacional sendo roída por ratazanas…

Petrobras produz abaixo da meta

Por falta de equipamentos, estatal não deve alcançar nem o piso do estimado para o ano, após não atingir seu objetivo de produção em 2010

A Petrobras não deverá atingir pelo segundo ano seguido a meta de produzir 2,1 milhões de barris de petróleo por dia em território nacional. Após fracassar em 2010 e postergar o objetivo para este ano, a estatal enfrenta dificuldades com a demora na entrega de equipamentos e por isso deixará de produzir neste ano volume equivalente a pelo menos 2,5% da oferta nacional de petróleo. A companhia, apesar de ter investido mais de R$ 50 bilhões entre janeiro e setembro, apresenta volume de produção praticamente estável em relação a 2010. Por isso, até mesmo o piso da meta, de 2,050 milhões de barris diários em média, não deverá ser alcançado, projeção que ganhou força após a divulgação dos dados de produção de outubro, na sexta-feira passada. Com a chegada de novas sondas, a Petrobras planeja acelerar o ritmo das atividades de exploração e produção e também eliminar o gargalo nos investimentos. (Estadão)

Chamadas de 1ª página_30.nov.11

O GLOBO – Até produtor morto participou de leilão da Conab

FOLHA DE SP – Assessores jamais pisam na Câmara, afirma Vaccarezza

ESTADÃO – Lobby elevou valor de obra para a Copa

CORREIO BRAZILIENSE – Código Florestal, só na terça

VALOR ECONÔMICO – CGU aponta falhas na Pasta da Agricultura

ESTADO DE MINAS – Código Florestal sob pressão verde

JORNAL DO COMMERCIO – Vaccarezza sai em defesa de Lupi

ZERO HORA – Votação do Código Florestal é adiada

Daniela Mercury e Wanderléa – Esqueça

ONU acusa ditador sírio de crime contra humanidade

Investigação indica tortura e morte inclusive de crianças e amplia isolamento do regime de Assad

Uma investigação da ONU liderada pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro concluiu que o governo de Bashar Assad na Síria cometeu “crimes contra a humanidade” ao reprimir manifestantes desarmados, com tortura e assassinatos em estádios, escolas e hospitais. Em uma mobilização para isolar ainda mais Assad e minar a posição de China e Rússia, americanos e a União Europeia querem agora a condenação do regime e que Assad seja julgado pelos crimes revelados ontem. Segundo Pinheiro, não resta dúvida de que torturas, violações sexuais, mortes e desaparecimentos de milhares de pessoas inclusive de crianças, foram ordenados pelo alto escalão do governo sírio. Mais de 4 mil pessoas foram mortas desde o início do levante, em fevereiro. A investigação da ONU mostra ainda que é crescente a deserção de militares no país. (Estadão)

Aids ainda mata 12 mil por ano e só não sobe no Sudeste

Ministério se preocupa com aumento de incidência entre jovens gays

O número de casos de Aids no país vem aumentando ao longo dos anos, mas a letalidade da doença caiu, segundo dados do Ministério da Saúde. Ainda assim, no ano passado, 11.965 pessoas morreram vítimas da síndrome; há 16 anos, em 1995, foram 15.156 mortes. O Sudeste foi a única região do país onde o número de mortes diminuiu. Segundo o ministério, 34.218 pessoas contraíram a doença ano passado, contra 30.273 em 1998. Os novos dados mostram que o vírus HIV atinge hoje 0,6% da população entre 15 e 49 anos. O ministério está preocupado com o aumento da incidência entre homens gays de 15 a 24 anos. Apesar de o percentual de casos nessa faixa etária ter caído em 12 anos, cresceu 10,1% se considerados apenas os homossexuais. Essa parcela da população será o alvo da campanha contra a doença a ser lançada quinta-feira, Dia Mundial de Luta Contra a Aids. (O Globo)

Chamadas de 1ª página_29.nov.11

O GLOBO – Dilma dá início à privatização de aeroportos no país

FOLHA DE SP – Servidor em função de risco vai poder se aposentar antes

ESTADÃO – A responsabilidade pelo Orçamento é do Executivo

CORREIO BRAZILIENSE – Aids avança entre jovens de 15 a 24 anos

VALOR ECONÔMICO – Suspensão de ONGs ameaça 13º salário no Dieese

ESTADO DE MINAS – Casos de jovens gays com Aids no Brasil aumentam

JORNAL DO COMMERCIO – Pernambuco é líder em casos de Aids no Nordeste

ZERO HORA – PT na capital: Esquenta briga entre Pont e Villaverde

Artigo publicado n’ O Jornal de Hoje nesta 2ª feira

Pelegos do PDT assassinaram o ideal trabalhista

MIRANDA SÁ (E-mail: mirandasa@uol.com.br)

No assassinato político do trabalhismo, o primeiro tiro, sem dúvida, saiu da arma do general Golbery que, malandramente, tirou a sigla histórica, PTB, de Brizola, e ajudou a fundar o Partido dos Trabalhadores com os pelegos liderados por Lula da Silva.

Na época, os trabalhistas autênticos reagiram criando a Fundação Getúlio Vargas e aconselhando Brizola a competir com Ivete no PTB, organizando as bases para uma reação democrática a partir das bases. 

Cabeça dura, Brizola fundou o PDT, sem tradição nem o atrativo da legenda PTB na memória popular. Personalista, elegeu-se no Rio de Janeiro e firmou uma liderança nacional, candidatando-se à Presidência da República.

Quando o arrivista e carreirista Collor de Mello venceu o primeiro turno, deixando embaixo, pela ordem, Lula, Brizola e Covas, o caudilho gaúcho propôs a Lula e ao PT uma renúncia dos dois primeiros lugares para apoiar Covas.

Lula e o PT iludidos pelo obreirismo dos “ideólogos” do grupo de José Dirceu e os trotskistas da USP, mantiveram a candidatura presidencial própria, sofrendo vergonhosa derrota pela habilidade dos marqueteiros de Collor em encostar o Pelegão no muro. E ele se conhecia.

Na história seriada, tivemos a morte de Tancredo, o governo Sarney e seu famigerado Plano Cruzado, a eleição de Collor, o impeachment, a posse de Itamar Franco, o Plano Real, a eleição de FHC e a suprema imoralidade do instituto da reeleição.

Agora estamos no nono mandato do lulo-petismo. O governo Lula Rousseff está se desmilingüindo (vou usar o trema que fica mais bonito) num processo acelerado de desmoralização pela corrupção endêmica e epidêmica na administração pública.

Isso, evidentemente, não se transmite pelos protestos populares de rua; Os movimentos sociais estão cooptados num processo imoral introduzido pela prática dos pelegos sindicais; e a classe sempre dominante dos adesistas, aproveitadores e privilegiados quer manter o status quo.

O que está translúcido é o comprometimento da cúpula governamental com a depravação pervertida dos 300 picaretas do Congresso Nacional, hoje participando do esquema lulo-petista e navegando nas águas plácidas da condescendência geral dos três poderes da República.

Isso nos leva de volta à abertura do texto, analisando o deperecimento do trabalhismo pela putrefação moral dos dirigentes do PDT. Um pequeno grupo de burocratas se apoderou da legenda com a morte de Brizola pondo à frente um fantoche de nome Carlos Lupi.

Amoral, declassé, sabujo e inconseqüente, Lupi ascendeu ao Ministério do Trabalho como laranja da burocracia pedetista e da pelegagem sindical. Domina o partido através de “comissões provisórias” mantidas por apaniguados, controlados pelo comissário Manoel Dias, de incomparável malandragem.

A chamada “grande imprensa” incursiona na investigação da roubalheira, mas também envereda por atalhos duvidosos, como apontar para a rivalidade da CUT e da Força Sindical numa possível disputa pelo Ministério putrefeito, o que é secundário. Na verdade, há uma competição entre o PT e o PDT pela pasta que oferece tantas condições de achacamento e extorsão.

Gira na Rede Social da Internet, principalmente no Facebook e Twitter, a campanha pela moralização política e o afastamento da quadrilha de Lupi, mas não para substituí-la por outra quadrilha semelhante, como quer a turma  “de cima”.

Recorde-se que Lula atraiu o PDT em 2007 levando-o a assumir a Pasta esvaziada do ponto de vista político. A acomodação, porém, abriu outro caminho, servindo para o alcance de recursos e aparelhamento, duas coisas ambicionadas pelo lulo-petismo.

Assim, com os sindicatos cooptados pelo devasso e viciado imposto sindical, é nula a influencia do PDT, conivente com o desbaratamento do FGTS e da reforma da CLT praticadas pelo governo Lula Rousseff. Isto deveria ir para s páginas policiais como o assassinato do trabalhismo.

 

 

Nana Caimmy – Não se esqueça de mim