Arquivos Mensais: março 2009

Morre aos 82 anos o ex-presidente da Argentina Raúl Alfonsín

Morreu nesta terça-feira (31) em Buenos Aires, o ex-presidente da Argentina Raúl Alfonsín. Ele faleceu aos 82 anos, vítima de uma pneumonia agravada por um câncer de pulmão que o afligia desde 2007, informou seu médico, Alejandro Sandler.

 

Alfonsín governou a Argentina entre 1983 e 1989. Ele conduziu o processo de redemocratização após sete anos de ditadura militar e foi o primeiro presidente democraticamente eleito

 

Alfonsín governou a Argentina entre 1983 e 1989. Ele deixou o governo seis meses antes do fim de seu mandato, em meio a uma grande crise econômica e um cenário de hiperinflação. Alfonsín foi sucedido por Carlos Menem.

 

O ex-presidente foi o primeiro eleito democraticamente após o fim da ditadura militar que durou de 1976 a 1983, na qual milhares de dissidentes foram mortos ou “desapareceram”. O número total de mortos e desaparecidos chegou a 30 mil, segundo entidades humanitárias.

 

Nos últimos dias de vida, o estado de saúde do ex-presidente se agravara muito. A última aparição pública dele havia sido em outubro passado, quando foi à inauguração de um busto com sua imagem no salão que lembra os ex-presidentes na sede do governo, homenagem liderada pela chefe de Estado, Cristina Fernández.

 

Fonte: Uol Notícias/Efe, BBC, AP e AFP

Poesia

Último Poema  

 

 

Assim eu quereria o meu último poema

Que fosse terno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais

Que fosse ardente como um soluço sem lágrimas

Que tivesse a beleza das flores quase sem perfume

A pureza da chama em que se consomem os diamantes mais límpidos

A paixão dos suicidas que se matam sem explicação.

 

Manuel Bandeira

García Márquez não voltará a escrever

A agente literária Carmen Balcells, uma das mais atuantes no meio literário de língua espanhola, previu o silêncio definitivo do escritor colombiano Gabriel García Márquez, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura em 1982.

 

“Acho que García Márquez não voltará a escrever nunca mais”, disse Balcells em entrevista ao jornal chileno “La Tercera”, na qual assegurou que o escritor representava 36,2 % do faturamento de sua agência literária.

 

O escritor Gerald Martin, autor da única biografia autorizada de García Márquez, concordou com Balcells. “Eu também acho que (García Márquez) não escreverá mais livros, mas isso não me parece lamentável. Como escritor, foi seu destino ter uma trajetória literária totalmente coerente”, declarou Martin.

 

No mês passado, durante a Feira do Livro de Guadalajara, no México, o autor de “Cem Anos de Solidão” chegou a declarar que “escrever livros dá trabalho”. Segundo Martin, García Márquez tem alguns livros completos guardados, mas ainda não decidiu se vai ou não publicá-los.

 

Fonte: (EFE)/UOL Entretenimento

David Oistrakh e Yehudi Menuhin

Primeira parte de um dos mais belos concertos para dois violinos composta por Johann Sebastian Bach, interpretados por dois dos maiores violinistas de todos os tempos, David Oistrakh (1908-1974) e  Yehudi Menuhin(1916-1999).

chargeonline.com.br/Sponholz

chargeonline.com.br/Sponholz

Opinião

DOIS PESOS, DUAS MEDIDAS

 

A juíza Maria Isabel Prado, da 2ª Vara Federal de Guarulhos, condenou Eliana Tranchesi, dona da butique Daslu e ré primária, a 95 anos de prisão. O traficante Fernandinho Beira-Mar pegou 29. Elias Maluco, que queimou o jornalista Tim Lopes antes de matá-lo, ganhou uma pena de 28 anos. Marcola, chefe do PCC, cumpre 39 anos. Que perigo pode representar à sociedade uma pessoa que faz quimioterapia contra um câncer pulmonar? Que Justiça é essa que usa dois pesos e duas medidas? É esse o exemplo que o País está mostrando aos seus jovens? Isso não vai acabar bem.

 

Izabel Avallone ([email protected])

Comentário (III)

Muito alta a sonegação de impostos no Brasil

 

O episódio Daslu, não pela pena exagerada aplicada aos titulares da empresa, mas pela forma verificada na evasão de impostos, funciona para acentuar como é alta – muito alta – a sonegação tributária em nosso País. Há tempos, um estudo de Arthur Andersen Auditoria a estimou na base de um real pago por outro sonegado. A Arthur Andersen desapareceu no tempo, creio, ou mudou de nome, mas a fuga fiscal, com todos os seus disfarces, permaneceu.É de se pensar que tenha crescido ainda mais

 

PEDRO DO COUTTO, jornalista

 

Frase da vez_3/31

A investigação da Camargo Correia é o fato político mais importante do ano. Não é necessário crer em teorias conspiratórias para enxergar suas muitas dimensões e consequências.

 

Marcos Nobre, jornalista

Conceito

Voo cego

 

O delegado Paulo Lacerda, ex-diretor-geral da Polícia Federal, ex-chefe da Agência Brasileira de Inteligência, hoje lotado na Embaixada do Brasil em Portugal, deu a um grande amigo a seguinte definição do delegado Protógenes Queiroz:

 

“É um investigador muito bom, mas tem de ser monitorado de perto. Se ficar quatro dias solto, por conta própria, sai voando, investiga do presidente dos Estados Unidos às relações de poder na Austrália”.

 

DORA KRAMER, jornalista

 

O direito de ir e vir

Contra o bom senso

 

Há uma espécie de vício de origem na proposta do Ministério do Esporte de criar uma carteirinha para o torcedor frequentar estádios.

Trata-se, antes de tudo, de desrespeito ao direito de locomoção do cidadão — que, por aval da Constituição, é livre para ir a qualquer lugar.

 

Mas, ainda que não esbarrasse nesse pressuposto, a ideia de burocratizar o saudável hábito de acompanhar o time do coração deveria ser arquivada sob a rubrica de providências infelizes. A proposta do ministério é adoçada pela palatável intenção de implantar no país uma política de segurança e prevenção da violência nos estádios de futebol.

 

O GLOBO