Arquivos Mensais: janeiro 2008

POESIA

Orfeu do Carnaval

No verso apaixonado de Orfeu
Reina uma mulher somente sua
Por este amor maior que o envolveu
Enlouqueceu e vagou pela rua
No amor ferido de Aristeu
E o feitiço de Mira
A amante abandonada
A dama negra a ele apareceu
Levando para sempre a sua amada
O morro emudeceu

Explode a dor no peito de Orfeu
E o poeta apaixonado
Canta ao céu desesperado
O grande amor que perdeu
(Oh! Lua)Lua, oh! Lua
Musa amada, branca e nua
Quero lhe beijar e lhe dizer: Sou seu
E você dizer sou toda sua

Desceu do morro
Enfeitou sua tristeza
Fez seu reino de beleza
Das mágoas do seu coração
E este menestrel moderno
Procura até no inferno
A voz de sua razão(e vai)
Vai aos orixás do Candomblé
Demonstrando sua fé

Cai na orgia
Porém nada mas fascina
Ao Pierrô sem Colombina
Na sua alucinação
Morreu Orfeu
Vencido pelo mal
Mas há sempre
Um Orfeu no Carnaval

Vinícius de Moraes, poeta

VAI PASSAR

MARAVILHOSO!! CHICO NO CHACRINHA!!

FRASE DA VEZ_4/31

“O médico militar é um doutor que examina rigorosamente o soldado para ver se ele está em perfeito estado de saúde para ir morrer no front.”

Barão de Itararé, jornalista

Claudionor Germano canta frevos!

CURIOSIDADES SOBRE O CARNAVAL…

Criação da ala das baianas

Foi na gestão de Roberto Paulino, biênio 60 / 62, na Mangueira, que foi criada a Ala das Baianas com as características atuais. Eram 125 baianas coordenadas por D. Neuma. Foi no desfile das campeãs em 1970, quando o Presidente era Juvenal Lopes que a mais famosa baiana da Mangueira Nair Pequena, morreu em plena avenida, quando a escola cantava o samba de enredo “Um Cântico a Natureza”.

Governo proíbe saques com cartão corporativo

Entre as mudanças anunciadas pelo ministro Paulo Bernardo (Planejamento) no uso dos cartões de pagamento do Governo Federal, os chamados cartões corporativos, está a proibição dos saques em dinheiro. Existem, no entanto, exceções. Presidência, Vice-Presidência, Ministério da Fazenda e repartições do Ministério das Relações Exteriores que ficam fora do País poderão continuar efetuando os saques.

Em situações específicas e justificadas, também será permitido o saque em dinheiro de até 30% dos limites concedidos a cada órgão. Os cartões não poderão mais ser usados para pagar diárias em hotéis ou passagens aéreas. As mudanças estão em decreto que deverá ser assinado pelo presidente Lula até amanhã (1º).

Líder do DEM na Câmara pede expulsão de Lobão Filho do partido

O líder do DEM na Câmara, Onyx Lorenzoni (RS), entrou nesta quinta-feira com um pedido de expulsão contra o senador Edison Lobão Filho (DEM-MA) na Executiva Nacional do partido.
A iniciativa de Onyx contraria o acordo fechado entre Lobão e o líder do DEM no Senado, José Agripino Maia (RN).

Pelo acordo, Lobão Filho sairia amigavelmente do partido. Ele assinaria sua ficha de desfiliação depois do Carnaval. À Folha Online, Agripino afirmou que os democratas não iriam recorrer à Justiça para obter a vaga de Lobão Filho na Casa.

Mas Onyx disse que o acordo não é válido e Lobão Filho deve ser expulso da legenda. “Ele [Lobão Filho] deveria ter saído antes. Houve várias sinalizações, mas ele parece não ter entendido. Então, se não sai por bem, sai por mal”, disse o deputado.

Onyx diz que não participou de nenhum acordo para poupar Lobão Filho. “Não fiz acordo com ninguém. O partido não pode fazer acordo. A associação de Lobão Filho ao DEM fragiliza o partido.”
Para Onyx, o pai de Lobão Filho – Edison Lobão – traiu o DEM ao deixar a legenda para se filiar ao PMDB e depois virar ministro de Minas e Energia do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O deputado entende que o filho também está ligado ao governo e não pode pertencer ao DEM – partido de oposição. “Ele traiu o partido.

E para mim não tem traição pequena ou grande: virou ministro, virou adversário.”
A Executiva Nacional do DEM deve se reunir na quinta-feira da próxima semana. Com o pedido, o partido deve abrir um processo ético e escolher um relator para o caso.

Fonte: Folha Online/Renata Giraldi

FRASE DA VEZ_3/31

“Eu nunca fui um escritor profissional. Morreria de fome se fosse viver dos meus livros. Teria de acabar fazendo milhares de concessões. Mas camelô, ah!, isso eu sou bom; vendo meus livros, dou autógrafos e prometo morrer logo para valorizá-los.”

Plínio Marcos, escritor, jornalista e dramaturgo paulista

SAMBA DO G.R.E.S.UNIDOS DO PORTO DA PEDRA CARNAVAL 2008.

“TEM PAGODE NO MARU! 100 ANOS DE IMIGRAÇÃO JAPONESA ”

Brasil! Abra o leque ao Japão,
são 100 anos de imigração
O show vai começar
De São Gonçalo o meu tigre se transforma em torá
Imperador da cultura milenar
No templo dourado a mãe natureza
Sopra o vento da paz, encontro marcado com a sutileza
Há luz, bambus, bonsais
Gira baiana, oh! mãe do samba
Emana cerejeira em flor
Na grande viagem, fé na bagagem
A esperança navegou

O maru cruzou o mar
Lançado à sorte, o braço forte na lavoura trabalhou
A liberdade cultura viva
Terra querida é luz e cor

O sopro do gênio o fez samurai
Quem foi Manabu? das artes o pai
Quem dobra o papel com as mãos do céu
Faz do origami pedaço de paz
Vai um sushi saborear
Vi um gato no mangá, o gato é sorte
Vem coração oriental
Vem na era digital me dar suporte
Japão, o sol nascente brilha em cada um de nós
Em azakusa agora explode a minha voz
E a lágrima que cai é de emoção

A verdade que embala o meu coração
É a Porto da Pedra a minha paixão
Aplausos que o show vai terminar
Ô Ô Me perdoe se eu chorar.

Compositores: David de Souza, Fábio Costa e Carlos Junior

Ministro tem certeza do desmate

O ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, disse ontem ao diário Folha de S. Paulo que tem de 95% a 97% de segurança de que os dados sobre o da Amazônia do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) no final de 2007 estão certos. O instituto, cujos dados têm sido objeto de dúvida do governo de Mato Grosso, do Ministério da Agricultura e até do presidente Lula, é subordinado à pasta de Rezende.

“Em ciência nunca há 100% de certeza”, afirmou o ministro, que é físico. Mas ele disse estar seguro dos dados. “É curioso que, quando o Inpe informava que o estava caindo, ninguém questionava o dado.” Questionado sobre qual margem de erro aplicaria aos dados, Rezende respondeu: “De 3% a 5%”.

As declarações do ministro foram dadas após conversa com Gilberto Câmara, diretor do Inpe, que o sobrevoou ontem por quase duas horas, com um helicóptero militar, áreas que, segundo seus dados do instituto, teriam sido desmatadas no município de Marcelândia (870 km de Cuiabá) -líder do ranking dos 36 mais devastados nos últimos cinco meses de 2007. A observação aérea constatou a degradação prevista na análise do instituto.

Clique aqui para ler na íntegra

Fonte: Folha de S. Paulo/Fernando Gabeira